Em audiência, CAGECE diz que normalizou abastecimento d’água em Quixadá e vereador desmente

Nesta quarta-feira (15), foi realizada uma audiência virtual (foto: reprodução)

Região Central: O problema do desabastecimento d’água na cidade de Quixadá tem causado inúmeros problemas para a população. Diante dessa situação, o vereador Jackson Perigoso protocolou denuncia na 4ª Promotoria de Justiça. O órgão tendo à frente do Promotor Dr. Cláudio Chaves Arruda, abriu procedimento administrativo de n°09.2021.00023863-6, para apurar o caso, e, na tarde desta quarta-feira (15), foi realizada uma audiência virtual com a presença de vários representantes dos órgãos.

A Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos – COGERH  foi representada pelo gerente da Bacia do Banabuiú Paulo José Gomes Ferreira. Disse que o açude pedras brancas tem água suficiente até dezembro de 2022 conforme as simulações daquele órgão e que atualmente o reservatório tem 18 milhões de metros cúbicos d’água, pouco mais de 4% de sua capacidade.

Ferreira destacou ainda que o pedras brancas abastece exclusivamente os distritos de Tapuiará e Juatama e a cidade de Quixadá, sendo apenas consumo humano e animal, não tendo irrigação. Ele classificou a situação crítica.

A gerente de meteorologia da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos- FUNCEME, Meiry Sakamoto, fez uma ampla explanação sobre a situação da quadra invernosa. Segundo ela, todas as informações são repassadas as demais instituições para que tomem as medidas cabíveis.

O Dr. Julio Cesar Matias Lobo, representando a Defensoria Público Estadual pediu que os órgãos adotem medidas necessárias para solução do problema e principalmente transparência na divulgação, sugerindo todas as instituições se mobilizam para que a população tenha conhecimento da real situação.

A gerente da Cagece Glaudência Girão reconheceu que entre os meses de julho e agosto, Quixadá enfrentou problema de abastecimento d’água. Garantiu que foi instalada outra bomba e que será construído um reservatório para que não falte água no bairro Jardim dos Monólitos.

A representante da CAGECE garantiu que o problema foi solucionado e que atualmente o abastecimento dágua está normal. “O volume dágua distribuído no mês janeiro foi similar ao de agosto”.

Ao ter a palavra facultada, o vereador Jackson Perigoso explanou inicialmente a real situação, classificando como grave e que a falta d’água coloca a vida da população em risco, além dos inúmeros prejuízos. Elencando ainda que os danos são incalculáveis, bem como, a CAGECE mesmo reconhecendo o periódo de desabastecimento continuou a cobrar os valores das faturas, inclusive superiores aos meses anteriores.

Após a fala da representante da CAGECE, o vereador disse que, quem repassou a informação de normalidade do abastecimento faltou com a verdade, pois o problema continua em toda a cidade, sendo agora na forma de rodízio. Ele denunciou ainda que a água recebida pela população tem forte odor.

O promotor de justiça Cláudio Chaves Arruda classificou a situação como grave e que medidas urgentes devem ser adotadas. Concedeu prazo para que a CAGECE porque mesmo reconhecendo que a cidade estava faltando água, fez cobrança aos consumidores, além de outras medidas que serão adotadas.

Segundo a CAGECE, o plano “a” será uma adutora do açude Banabuiú até a cidade de Quixadá. O promotor marcou outra audiência para outubro.

O técnico da secretária de agricultura Charles Macedo, representou a Secretaria de Agricultura.