Herança petista: Servidores da educação e saúde de Quixadá podem decretar greve, decide sindicato

Ricardo Silveira recebeu em seu gabinete a presidente do Sindsep, Neiva Esteves e outros servidores.(foto: reprodução vídeo) 

Região Central: O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Quixadá, Ibaretama, Banabuiú, Choró e Ibicuitinga que representam as categorias do serviço público foi recebida nesta semana pelo prefeito Ricardo Silveira(PSD), com o objetivo de negociar o pagamento das folhas de novembro e dezembro de 2020, de servidores da saúde e educação que a gestão de Ilário Marques não pagou.

Ao atual prefeito de Quixadá fez uma auditória interna que constatou um rombo de quase R$ 11 milhões em atraso na folha de pagamento, deixada pela gestão petista.

Nesta quarta-feira(13), o prefeito anunciou o pagamento de dezembro dos aposentados e pensionistas de Quixadá, “uma responsabilidade da gestão anterior mas que honramos por respeito e pelo compromisso que assumimos.” Disse RS em nota em rede sociais. Foram mais de R$ 1,6 milhão sendo creditados em benefício dos aposentados que recebem pelo IPMQ.

No mesmo dia, o gestor recebeu em seu gabinete a presidente do Sindsep, Neiva Esteves e outros servidores. Na mesa de negociação, segundo a sindicalista houve proposta de parcelar em 12 vezes o salário dos profissionais da saúde e educação referente ao mês de novembro e dezembro, “uma proposta que o sindicato não aceitou, mesmo assim, a gente levou para a assembleia”.

Segundo a sindicalista, na assembleia de servidores a proposta foi rejeitada e adotaram alguns encaminhamentos. O sindicato entregará cópia da ata que foi decidido em assembleia e que se for parcelado, que seja no máximo em duas vezes, sendo a primeira com a folha de janeiro.

Caso a gestão não aceite a proposta, os servidores decidiram que vão parar as suas atividades, deixando apenas 30% de trabalhadores e os demais em greve. Neiva diz que salário parcelado é um grave prejuízo para o trabalhador.

Em vídeo, o sindicato reconhece atraso nas folhas de novembro da saúde e dezembro da saúde e educação, herança deixada pelo ex-prefeito Ilário Marques, do Partido dos Trabalhadores.