Porque é tão difícil prestar contas dos 7 milhões da obra do açude Cedro?

estradadocentroMilhões em recursos do governo federal entraram nos cofres do município de Quixadá, mas o dinheiro público foi mal aplicado

Não quero parecer só insistente, quero parecer incomodado com o silêncio dos gestores municipais sobre a prestação de contas da obra do açude do Cedro que recebem 7 milhões de reais dos cofres federais ainda na gestão Ilário Marques, obra que está inconclusa e modificada do projeto original.

Porque é tão difícil explicar para onde foram gastos os recursos recebidos ainda no ano de 2008 e inexplicavelmente se arrasta por tanto tempo sem um cronograma de conclusão? Serei eu um observador inquieto que não entendo muito bem de contas públicas, mas que apenas gostaria de explicações técnicas sobre esse projeto que nem de longe lembra a proclamada divulgação de uma moderna avenida larga com ciclovias, pistas de pedestres, urbanização, passeios e requalificação urbanística e iluminação.

Quem visita a estrada até se encanta pois a estrada e a iluminação moderna realmente deixou o trecho mais bonito no local, entretanto bem diferente do que foi anunciado a pista asfaltada e em parte com bloquetes até o açude é estreita e nem mesmo  acostamento existe, a iluminação é muito boa mais os postes foram colocados muito próximos a margem da estrada, luminárias foram colocadas também para o que futuramente será a pista de passeio, mas até agora só iluminam o mato escuro e que segundo a prefeitura de Quixadá ficará para a terceira etapa do projeto, talvez ficando para a copa no Brasil em 2014 ou olimpíadas de 2016.

Estão brincando com o dinheiro público, será que vão esperar por mais dinheiro para concluir esse projeto inacabado? E afinal vai ter ou não ciclovias para os ciclistas de Quixadá que gostariam do passeio com segurança no local? Existe algum obstáculo para a conclusão da obra que se arrasta e vai completar quatro anos? Se existe por que não vir a publico esclarecer para a população como está sendo gasto o dinheiro do contribuinte?

São questionamentos que incomodam algumas pessoas ligadas a administração, ouvi por ai comentários que minha coluna é perseguidora e politiqueira, só gostaria de esclarecer independente do meu posicionamento político gostaria de explicações convincentes dos atuais gestores sobre esse referido projeto, é tão fácil calar quem é incoerente, se realmente eu estiver errado, dou mão a palmatória e publicamente peço desculpas pela desconfiança desses recursos, mas o que mais me assombra é que o silêncio dos administradores em questão dão conotação de que algo de muito grave aconteceu com esses recursos.

Fabio de Oliveira
Colunista
As opiniões aqui expressas não necessariamente coincidem com a da Revista Central