Deputada Rachel Marques critica retirada de direitos com a reforma trabalhista

A deputada Rachel Marques (PT) manifestou indignação, durante o primeiro expediente da sessão plenária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira (12/07), com a aprovação, pelo Senado Federal, na terça-feira (11/07), do texto da reforma trabalhista. Para a parlamentar, “a reforma proposta pelo atual governo representa um ataque frontal ao povo trabalhador brasileiro e aos direitos duramente conquistados”.

Segundo a deputada, o projeto de reforma apresenta uma série de retrocessos em direitos trabalhistas, e não vai gerar mais empregos, como argumenta o Governo Federal.“A gravidade desta aprovação é ainda maior porque a proposta não foi discutida com a sociedade, já que ela não foi consultada para a elaboração do texto, além de não constar no plano de campanha daquela que foi a eleita legitimamente como presidente”, criticou Rachel Marques.

A parlamentar também defendeu a atitude de senadoras que ocuparam a mesa da Presidência do Senado, em protesto à votação da reforma. “Foi uma atitude corajosa, brava e de resistência das nobres senadoras contra a maneira como seria votada a proposta, que diante da impossibilidade de qualquer negociação, ocuparam as cadeiras da presidência em respeito aos trabalhadores e a sociedade brasileira”, salientou a deputada.

Rachel Marques ressaltou ainda que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) já se manifestou a respeito da Reforma, declarando que a proposta aprovada ontem viola convenções internacionais trabalhistas das quais o Brasil é signatário.

Em aparte, o deputado Capitão Wagner (PR) endossou as críticas de Rachel Marques e considerou que o Governo Federal não tem agido de maneira correta com os trabalhadores brasileiros.“Este governo tem pisado na bola com o trabalhador, pensando apenas no capital e nos grandes empresários, e colocando o prejuízo nas costas dos mais vulneráveis”, apontou Capitão Wagner.

O deputado Osmar Baquit avaliou que o projeto político comandado pelo presidente Michel Temer assumiu para prejudicar os trabalhadores, tirando os direitos conquistados.

Já o deputado Moisés Braz (PT) elogiou a postura das senadoras que protestaram contra a reforma. “Parabenizo as senadoras pela resistência e pelo protesto naquele momento, demonstrando todo o respeito pela classe trabalhadora”, pontuou.