Datafolha: Divulgação de pesquisa no 2º turno é suspensa em Fortaleza

Eleicoes-2016_cinzaA decisão do magistrado responde ação movida pela candidata Luizianne Lins (PT), que exigiu ser incluída entre as simulações.

Apesar de coletada por entrevistadores do Datafolha, simulação de cenário entre Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner (PR) para o 2º turno não será divulgada neste domingo. A medida atende a decisão liminar do juiz da 118ª Zona Eleitoral do Ceará, José Ricardo Vidal Patrocínio. A medida está sendo questionada no Tribunal Regional Eleitoral pelo Datafolha. Até o fechamento desta matéria, o recurso não havia sido julgado.

A decisão do magistrado responde ação movida pela candidata Luizianne Lins (PT), que exigiu ser incluída entre as simulações feitas pela pesquisa. O magistrado, no entanto, foi além do pedido e determinou que o resultado do segundo turno só fosse divulgado caso o instituto viesse a pesquisar as 28 possíveis combinações entre os 8 candidatos de Fortaleza. A decisão foi proferida quando mais da metade dos questionários já haviam sido aplicados. 

O Datafolha esclarece que sua metodologia – adotada há vários anos – prevê pesquisa de segundo turno apenas entre candidatos que estejam nas duas primeiras posições, incluindo aqueles em situação de empate técnico. Uma pesquisa de segundo turno com 28 cenários diferentes seria tecnicamente inviável, explica o instituto. 

Em 2012, os candidatos Inácio Arruda (PCdoB) e Renato Roseno (Psol) também pediram à Justiça Eleitoral a inclusão de seus nomes em simulações do 2º turno do instituto. As ações chegaram a ser deferidas, e a pesquisa suspensa, mas as decisões acabaram revertidas pelo juiz Luciano Rodrigues, do Tribunal Regional Eleitoral. No recurso, o Datafolha cita tanto a decisão do juiz cearense, como do ministro Marco Aurélio, do STF, como jurisprudência para a liberação da pesquisa.