Geoparque em Quixadá e Quixeramobim começa a ser discutido com sociedade civil nesta semana

Criação de geoparque abrange territórios de Quixadá e Quixeramobim e tem potencial gigantesco para impulsionar a economia da região.

O Instituto Federal do Ceará (IFCE), campus em Quixadá, vai promover na próxima sexta-feira (23), uma mesa virtual de lançamento do programa de extensão Geoparque Sertão Monumental, onde está proposto o tema ‘geoturismo e aventura em parques’.

Quem vai comandar o bate papo é o professor Felipe Monteiro, do IFCE, com os convidados Kido Aranha, quixadaense praticante de esportes de aventura, e Eduardo Guimarães, do Goeparque da Chapada do Araripe. A mesa virtual está marcada para às 18h30 e vai ser transmitida através do canal do YouTube do IFCE de Quixadá.

Geoparque em Quixadá e região

Ano passado, os professores do campus de Quixadá do Instituto Federal do Ceará (IFCE), Felipe Monteiro, João Luís Olímpio e Mailton Nogueira, e o estudante, Alexandre Pinheiro, participaram da equipe técnico-científica que elaborou o relatório “Geoparque Sertão Monumental – Proposta”, publicado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM, da antiga sigla).

O projeto é elaborado por uma equipe multidisciplinar e interinstitucional que inclui ainda técnicos e pesquisadores da CPRM, da Universidade Federal do Ceará (UFC), da Universidade Estadual do Ceará (UECE) e da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) e fornece subsídio técnico para a proposta de criação de um Geoparque Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) nos municípios de Quixadá e Quixeramobim, no sertão central cearense.

Mapa mostra localização do geoparque no Sertão Central do Ceará.

Nesta região, entre os dois maiores municípios do sertão central, foram selecionados vinte geossítios e sítios da geodiversidade na proposta e quantificados segundo a metodologia do Geossit do Serviço Geológico, sendo dois geossítios de relevância internacional, onze sítios de relevância nacional e sete sítios de relevância local/regional.

Com o lançamento na próxima sexta-feira, o projeto inicia a série de debates com instituições governamentais, organizações não-governamentais, movimentos sociais e representantes da sociedade civil.