Tempestade: Madrugada em Quixadá virou dia pela claridade dos relâmpagos e trovões acordam população

Região Central: Uma madrugada em que a claridade dos relâmpagos deixava a cidade como se fosse durante o dia. Cada um relata nas redes sociais o desespero de uma madrugada atípica na cidade de Quixadá. Relâmpagos, trovões e raios tiraram literalmente o sono do quixadaense.

“Foi anormal e aos meus 78 anos nunca tinha presenciado essa situação, eu pensava que seria o fim do mundo”, disse o agricultor João Jaimes Felix. Ele confirma que acordou às 4h e não mais conseguiu dormir. O desespero dos animais foi outra preocupação.

Acredita-se, que essa madrugada foi a mais desesperadora para milhares de pessoas que tem medo de trovões.

Os trovões são ondas sonoras geradas pelo movimento de cargas elétricas na atmosfera. Devido ao aumento da temperatura do ar nas áreas da nuvem por onde o raio passa, os trovões podem ser perigosos especialmente nos locais próximos da sua ocorrência. A velocidade do trovão também varia com o local onde se propaga. O relâmpago acontece sempre antes do trovão porque a velocidade da luz é mais rápida do que a do som no ar.

Até o momento não há registro de sinistro causado pela tempestade desta madrugada como infarto de pessoas ou queda de raio atingindo animal ou ser humano.

Conforme o registro, choveu apenas 40 mm na cidade de Quixadá, especialmente no bairro Baviera, o registro foi do comunicador Chico Javali, que tem um pluviômetro em sua residência.

As maiores chuvas nas últimas horas foram nos municípios: Iracema (Posto: Bastioes) : 66.0 mm; Iracema (Posto: Canafistula) : 53.0 mm; Quixeramobim (Posto: Uruque) : 50.0 mm; Ererê (Posto: Acude Santa Maria) : 48.0 mm; Ocara (Posto: Serragem) : 48.0 mm; Boa Viagem (Posto: Açude São Jose I) : 47.0 mm; Jaguaribe (Posto: Nova Floresta) : 46.2 mm; Itaitinga (Posto: Itaitinga) : 46.0 mm; Jaguaribe (Posto: Brum) : 46.0 mm; e Barro (Posto: Brejinho) : 45.0 mm.