Temperaturas em municípios no interior do Ceará chegam a 40º nos meses do B-R-O Bró

Calor aumenta neste período do ano e se torna uma característica dos meses setembro, outubro e novembro Foto: Reprodução/ Rede Vanguarda

Quando se fala que no Ceará, os meses do B.R.O Bró são quentes, é porque são quentes mesmo. Com temperaturas atingindo máximas superiores à casa dos 32º, as cidades ficam ainda mais quentes e o calor se torna quase insuportável. Neste cenário, uma cidade tem se destacado: Redenção, no Maciço de Baturité, tem registrado temperaturas médias de 38º e em determinados dias, os termômetros passaram dos 40º.

No mês de setembro Redenção atingiu a máxima de 38.6 graus. Atrás da cidade, ficaram apenas os municípios de Jaguaribe, com 37.7 graus, Barro, com 37.6 graus e Viçosa do Ceará, com 36.3 graus. Até mesmo a classe de temperaturas mínima foi considerada alta em Redenção: o menor que se registrou por lá foi 30º.

O mês que começa agora, outubro, também não fica para trás: Redenção já atingiu a temperatura máxima de 37.6º, empatado com a cidade de Jaguaribe. Nas medições dos picos de temperaturas, Redenção também se destaca: o valor mais expressivo do ano entre os municípios monitorados ocorreu no dia 26 de agosto, sendo este de 41,7°C.

Temperaturas nestas medições tornam o calor ainda mais insuportável. Ocorre o fenômeno do que o cearense costuma chamar de “bafo quente”, quando até mesmo os ventos que deveriam servir para amenizar o calor, chegam aos ambientes carregados de altas temperaturas. Em outubro, as temperaturas máximas médias costumam aumentar ligeiramente em relação a este mês. Em Fortaleza, por exemplo, a normal climatológica em setembro é de 31°C. Já no próximo mês, é de 31,2°C.

Os dados que comprovam essas informações são fornecidos pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Eles são resultados de variações meteorológicas que definem o estado da atmosfera e podem ser medidas através de Plataformas Automáticas de Coleta de Dados (PCD’s).

As PCD’s utilizadas pelo órgão de meteorologia cearense são dispositivos equipados com sensores e outros componentes eletrônicos, dentre eles, painéis solares, que garantem autonomia de energia e permitem a coleta, armazenamento e transmissão automática de dados meteorológicos como temperaturas do ar, umidade relativa do ar, direção e velocidade dos ventos, entre outros.

O período de setembro a dezembro, conhecido no Ceará como “B-R-O-Bró”-, é marcado por ser, historicamente, o mais quente do ano. Nesta época, as baixas umidades e as altas temperaturas tornam-se ainda mais intensas. Além das temperaturas mais elevadas, a baixa umidade do ar, que é inversamente proporcional, pode apresentar valores mais expressivos durante o Br-O-Bró.