Batalhão da Polícia apreendeu mais de 200 armas e quase 60 kg de drogas no Interior do Ceará

No mês de maio foram apreendidas 504 armas (foto: SSPDS/Reprodução)

Do dia 1ª de janeiro a 30 de junho deste ano, o Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi) apreendeu 228 armas de fogo em operações policiais. Também no primeiro semestre, foram confiscadas mais de duas mil munições. As ações se concentram nas zonas rurais do Ceará e nas divisas.

As ações do Bepi resultaram ainda nas apreensões de 2.660 munições, 108 revólveres, 84 espingardas, 32 pistolas, quatro fuzis, 83 veículos e 233 celulares. Quando se trata de entorpecentes, foram aproximadamente 49 quilos de maconha, 7,7 quilos de cocaína e 2,7 quilos de crack. Em dinheiro proveniente de práticas criminosas, foram apreendidos quase R$ 70 mil.

Durante este primeiro semestre, já foram realizadas 333 prisões, com 293 procedimentos lavrados em delegacias da Polícia Civil no Estado. Esse balanço integra as mais de 17 mil prisões e apreensões em flagrante e por mandados de prisão cumpridos somente no primeiro semestre de 2021.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), o trabalho do Bepi se divide nas atuações da Companhia de Operações de Divisas (COD) e da 1ª Companhia do 4° Batalhão (Bepi/Cotar).

Entre o armamento retirado de circulação, estão quatro fuzis que pertenciam a um grupo criminoso envolvido em uma ação contra carro-forte na cidade de Piquet Carneiro, no Sertão Central. Na ação, o Bepi prendeu três suspeitos de outros estados, dois dias depois do crime.

Segundo o coronel Márcio Oliveira, comandante geral da Polícia Militar, o Bepi age como força de suplementação no Interior em horários mapeados pela inteligência da Polícia e pela Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp). “A atuação deles vem dando um enorme resultado no que diz respeito à diminuição de crimes contra instituições financeiras e outros crimes, como o porte ilegal de arma de fogo, o tráfico de drogas e os homicídios”, revela.

O impacto das ações nos indicadores criminais
Ainda de acordo com a SSPDS, as equipes especializadas protagonizam, junto às equipes da Polícia Civil, da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) e do Sistema de Videomonitoramento, as ações de combate aos crimes nas regiões interioranas, especialmente contra instituições financeiras.

O reforço impactou na redução desses crimes, que apresentaram retração de 57% nas ocorrências em todo o Estado, no quadro comparativo entre o primeiro semestre dos anos de 2021 e de 2020. Entre os meses de janeiro e junho de 2021, foram registradas três ocorrências, enquanto no mesmo período do ano de 2020, ocorreram sete casos.