Sinais do Apocalipse? Para pastor de Quixadá fenômenos como nuvem de gafanhotos trazem mensagem profética

O pastor quixadaense, Jecristón Dias, que lidera a Assembleia de Deus no Brasil Tempo da Graça há 14 anos

Quixadá: pessoas do mundo todo e principalmente os brasileiros, se inquietaram essa semana com uma série de fenômenos que podem ter uma estreita ligação com as escrituras bíblicas. A onda de gafanhotos que saiu da Argentina em direção ao Brasil e a nuvem de poeira que ameaça mudar ainda que em pouca tonalidade, a cor do céu no Ceará, levantou questionamentos inquietantes: seriam esses fenômenos algum sinal do sagrado?

Para o pastor Jecristón Dias, líder de um dos maiores movimentos religiosos de Quixadá, não restam dúvidas: “esses fatos denotam de forma indiscutível, que há algo sendo gerado”. Jecristón é pastor há quase 14 anos e comanda a Assembléia de Deus no Brasil Ministério da Graças, um movimento com cerca de 20 congregações em Quixadá. “Eu creio firmimente que esse é o momento de muita ponderação, de muita reflexão”, diz.

O medo gerado a partir do pouco conhecimento da mensagem que pode trazer uma passagem bíblica, se acentuou essa semana pela coincidência de passagens que trazem citações precisas do que passou a ser visto. Em 2 Crônicas (7.14), por exemplo, a passagem diz “Se eu fechar os céus, e não houver chuva; ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra;”.

Gafanhotos: usado como uma das pragas do Egito, insetos ameaçaram causas destruição no Brasil

O temor causado pelos gafanhotos também pode ser entendido por uma passagem bíblica histórica e que muitos já escutaram falar um dia: a das pragas do Egito. O inseto é uma das pragas que consome a cidade e causa prejuízos e destruição. Não bastasse o surgimento dos gafanhotos, é bom lembrar que vivemos sob uma pandemia, que já matou mais de um milhão de pessoas no mundo. Isso tudo, somado às guerras, terremotos e às outras catástrofes mundo afora, alimentam a ideia semeada pela sabedoria popular de que esse seria o fim dos tempos, uma questão ilustrada através de códigos pelo Livro do Apocalispe.

Para o pastor, os fenomenos da natureza sempre estiveram vinculados à revelação do sagrado, função pela qual ele acredita que os casos trazem um recado. “Pode ter certeza, do ponto de vista negativo ou positivo, que eles trazem uma mensage, que eles têm algo a nos revelar. Eu creio firmimente pelo que nos narra Jesus, que há algo sendo gerado, que os eventos apontam para a conclusão de consumação de algo, que a escritura chama de um período em que haverá novos ceus e novas terras”

O líder religioso, contudo, pondera que as interpretações dos fenômenos, são muito elineares, do ponto de vista históico, cultural e religioso, mas para ele, chama atenção o mecanismo ativado de associar ao sagrado, aquilo que não conhecemos. “Nós temos eventos da natureza que são incontroláveis, que por sua vez não conseguimos compreender e aquilo que a mente nao compreende, coloca no lugar do sagrado ou do extraordinário, e aí sim, começam as mais variadas interpretações dentro das variaveis religiosos”.

A aproximação de uma enorme nuvem de gafanhotos do Brasil, proveniente da Argentina, levou o Ministério da Agricultura a declarar, nesta quinta-feira, estado de emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Mas graças a fenômenos meteorológicos, a nuvem de insetos mudou a rota e permaneceu na Argentina.

Muitos assemelharam os acontecimentos com passagens bíblicas do Apocalipse

No Ceará especificamente, espalhou-se o boato de que uma novem de poeira que saiu do Saara e que estaria chegando no Brasil, poderia trazer consequências também para o estado. A Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme) explicou que os impactos no Ceará devem ser fracos, devido à localidade. Nas redes sociais, o órgão chegou a brincar com o fato. “Com medo da areia do Saara? Meu fi, resultados de modelos de previsão indicam que dançar um piseiro no mei do sertão deve levantar mais poeira do que a tal da Godzilla por aqui. O que pode ocorrer é uma certa mudança na coloração do nascer/pôr do sol visto de Fortaleza”.

Mesmo sem desconsiderar as previsões de cientistas, o pastor Jecriston Dias acrediita que não apenas os acontecimentos atuais, mas tudo o que se passa na atualidade, deve nos levar a refletir sobre uma transição dos tempos. “Eu creio firmimente pelo que nos narra Jesus, sobre a revelação do final dos tempos. no sermao do monte que nos devemos estarmos atentos aos fatos que irão ocorrer: pestes, terremotos, guerras, rumores de guerras, então esse é o momento de muita ponderação, de muita reflexão”, afirma.

O Portal Revista Central tentou ouvir outras autoridades religiosas de Quixadá para apurar sua visão sobre os atuais fenômenos e as suas possíveis ligações com ensinamentos bíblicos. Nossa reportagem tentou manter contato durante toda a tarde de ontem com outros três pastores, mas nenhum deles atendeu. Também buscamos contato com o reitor do seminário de Quixadá, Padre Francisco Otaviano, e com a coordenadora do Espaço Bezerra de Menezes, em Jaguaretama, dedicado ao médico que seguia a doutrina espírita, mas nossas ligações não foram atendidas.