39 mil munições e 13 toneladas de chumbos e pólvoras foram apreendidos pela Polícia Civil de Quixadá

Após dois meses de investigações da Polícia Civil de Quixadá, dois homens foram presos suspeitos de manter um paiol e de comercializar munições e materiais explosivos, no município de Quixadá, nessa quinta-feira (19). Diversos materiais foram apreendidos em uma loja e na residência de um dos suspeitos. Ao todo, os agentes de segurança apreenderam 39.257 mil munições de vários calibres, nove toneladas de chumbo, quatro toneladas de pólvora, mais de R$ 10 mil em espécie e R$ 15 mil em folhas de cheque.

De acordo com as informações levantadas durante as investigações, a equipe policial verificou que os suspeitos escondiam os materiais ilícitos dentro de caixas de produtos de higiene, de eletrodomésticos e até de alimentos para não levantar suspeitas. O transporte era feito da casa de José Nilton Oliveira Vidal Junior até a loja que ficava próxima ao box onde eram armazenados os artefatos explosivos e as munições. No dia da prisão, os agentes perceberam que quando o cliente solicitava a encomenda, Célio Moraes de Holanda-“Nego do Alho” ligava para Nilton abrir o box com o material clandestino. Dessa forma, as prisões em flagrante puderam ser realizadas pelas equipes.

Leia mais: Polícia Civil de Quixadá faz a maior apreensão de munição no ano de 2017 do Ceará

Os depósitos onde todo o material foi apreendido fica na Galeria do Centro, próximo a agência da Caixa Econômica, e em uma casa no bairro Alto São Francisco.

Os empresários foram autuados em flagrante pelos crimes de receptação (por não apresentarem nota fiscal dos produtos apreendidos); crimes ambientais (por haver recipientes contento veneno, popularmente conhecido por chumbinho); posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, comércio ilegal de arma de fogo, acessório ou munição, crime este com pena aumentada da metade, pois foram encontradas munições de uso proibido ou restrito.

O trabalho da Polícia Civil segue para saber a procedência do material apreendido, já que os suspeitos não apresentaram licença para comercialização.

Toda a investigação e apreensão foram dos inspetores Gilberto Lima, Erismar Granja, Ulisses Bastos Guanabara, David Bezerra, Davilson Pinheiro e do escrivão Marinaldo Barreto. Apesar de todas as dificuldades, a equipe da Polícia Civil de Quixadá vem surpreendendo a população em suas ações positivas sempre com destaques no portal Revista Central.