Açude Pedra Branca, responsável pelo abastecimento de Quixadá, perdeu metade de seu volume em um ano

Reservatório está com apenas 5,5% de sua capacidade total, o que preocupa moradores (foto: arquivo RC)

Quixadá: O inverno tem sempre duas faces: uma mais simples e fácil de encontrar motivos para ser otimista, quando as águas da chuva, ainda que poucas, são o suficiente para encher os pequenos barreiros e barragens particulares, que alimentam o gado e garantem a forragem. A outra é mais complexa, pois se julga o inverno bom pela quantidade de água que se acumula nos açudes. No que depender desta segunda análise, o inverno está ruim para o açude Pedras Branca.

Números consultados pelo Revista Central a partir do sistema da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) apontam que o Pedras Branca perdeu quase a metade de sua capacidade de armazenamento num intervalo de um ano. E esse dado preocupa, tendo em vista que ele é o principal responsável por garantir o abastecimento humano das populações das duas maiores cidades do Sertão Central: Quixadá e Quixeramobim.

Até esta segunda-feira (19), quando este texto foi fechado, o Pedras Branca guardava o equivalente de 5,5% de água. Os números do Portal Hidrológico do Ceará, que reúne as informações de todos os açudes do estado, apontam que exatamente há um ano, no dia 19 de abril de 2020, este total chegava a 9,9%. É uma diferença de quase metade do acúmulo, e isso mesmo já tendo passado mais da metade do período de inverno compreendido entre os meses de março, abril e maio.

Essa informação não é nada animadora: sem água (ou mesmo que chegue a uma cota de volume morto, quando o líquido já não serve mais para ser utilizado para fins domésticos) as quase 170 mil pessoas das cidades de Quixeramobim e Quixadá deverão enfrentar sérios problemas de abastecimento. O racionamento de água, por exemplo, e o uso de caminhões pipa, seriam uma alternativa, mas trariam transtornos, tendo em vista que a própria Operaço Carro Pipa, por exemplo, volta e meia acaba atrasando.

No fim de abril de 2018 o açude Pedras Branca saia do seu volume mais severo dos últimos dez anos, quando ele atingia a marca de apenas 4,3% de acúmulo. Desde então nunca mais o açude voltou a registrar índices tão baixos. Nem mesmo agora, com a diferença de metade de água acumulada num intervalo de um ano, a diferença chega a se comparar com o que fora constatado no fim de abril de três anos atrás.

O Pedra Branca é um açude enorme, com capacidade para guardar o equivalente a 456 hm³. Atualmente sua cota é de 25,10 hm³. Há dias sua cota vem se mantendo estável. No mês de abril ele chegou a receber significativos aportes, mas acabou perdendo vazão tendo em vista o uso de água por parte da população. É bom frisar que ainda temos cerca de mais 45 dias de período chuvoso. Não está sendo dos melhores, mas aliado à consciência da população, será possível manter o abastecimento por pelo menos mais um ano.