Estudante que fez selfie sob escombros reencontra bombeiros que ajudaram no seu resgate, em Fortaleza

Davi Sampaio, com a família e parte da equipe de bombeiros que ajudou no seu resgate — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

O estudante de arquitetura Davi Sampaio, de 22 anos, que fez uma selfie nos escombros, reencontrou quatro militares que atuaram diretamente no seu resgate, que ocorreu cinco horas após o desabamento do Edifício Andrea, onde ele morava no 1º andar. O encontro aconteceu nesta sexta-feira (25) em um apartamento no Bairro Meireles, em Fortaleza.

Davi foi resgatado quase cinco horas após o desabamento do prédio. Ele aproveitou para dar detalhes dos momentos que antecederam o resgate, que envolveu mais de 350 profissionais de segurança. “No momento que eu desliguei o telefone com a moça da Ciops (Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança), eu já comecei a ouvir um barulho de sirenes. Todo tempo eu ouvia o Corpo de Bombeiros trabalhando, isolando a área para ouvir os barulhos que possíveis vítimas poderiam fazer. Então isso me tranquilizou bastante”, revela.

Ele falou ainda que utilizou a lanterna do seu aparelho celular para sinalizar para os bombeiros onde estava. “Eles me viram pela lanterna do celular. Tinha um buraco sobre mim, que permitiu a passagem de ventilação e de luz, e foi por lá que eles começaram a quebrar a estrutura de concreto, que estava me envolvendo. Eu informei a minha altura e meu peso e eles abriram na dimensão certa para eu passar. Depois que eu saí, eles pediram calma, pediram que eu respirasse fundo porque até então eu tava com muita fome pelo tempo que passei lá. Mas todo o tempo eles me acalmaram”, destacou.

Ao lado dos pais, Paulo Martins e Ivoneide Sampaio, o estudante agradeceu pessoalmente ao comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Cleyton Bezerra, ao sargento Mário Barroso, ao cabo Paulo Moura e ao soldado Nairo Régis, os três da 1ª Companhia de Busca e Salvamento e ao soldado Antônio Rodrigues, lotado no Batalhão de Socorro de Urgência (BSU).

“A partir do momento que eu saí de lá, eu já saí agradecendo a todos eles. E eu só reforço o agradecimento: muito obrigado por se dedicarem tanto a salvar a minha vida e a de muitas outras pessoas naquela tragédia. Infelizmente, não deu para salvar todas as pessoas, mas isso não tira o mérito do trabalho de vocês, que foi totalmente incansável. Queria agradecer muito aos voluntários, que também se prontificaram a ajudar e ficar todo o tempo lá, junto com o pessoal dos Bombeiros e do Samu. Sou eternamente grato a cada um de vocês”, disse.

Para o Cabo Moura, Davi teve um novo nascimento ao ser retirado do mar de escombros da estrutura e expressou a felicidade que se estendeu a todos que trabalharam no resgate. “Quando fiz o primeiro contato, eu o acalmei. Com isso, nós avaliamos qual seria o melhor local para retirá-lo de modo que não abalasse a estrutura. Depois de chegarmos a um consenso de onde concentraríamos nossos esforços, começamos a trabalhar para retirá-lo. E quando ele estava saindo, eu disse: você vai nascer de novo. Graças a Deus deu tudo certo e estamos muito felizes”, explicou o militar.

Conteúdo: G1