Vaticano confirma padre quixadaense Acúrcio Barros como “Missionário da Misericórdia” por tempo indeterminado

(Padre Acurcio com a Bula de Nomeação. Foto: Patrícia Silva)

A Diocese de Crato foi agraciada com a nomeação do padre Acurcio Barros (então Reitor do Seminário São José) como “Missionário da Misericórdia”. O serviço já lhe havia sido confiado durante o Ano Santo (realizado entre 2015 e 2016), entretanto, após avaliar os frutos do Jubileu, o próprio Papa Francisco decidiu prolongar, ou melhor, instituir a figura do missionário na Igreja. O documento, datado do dia 26 de abril, foi recebido no último dia 13 de junho.

Padre Acúrcio, que é quixadaense, explica que, em contato com o Vaticano, foi informado que as faculdades concedidas à época (a possibilidade absorver pecados antes reservados apenas ao perdão do Papa, como é o caso do aborto, da violação do Sacrário e da quebra do sigilo da confissão) não havia sido suspensas. Com a decisão do papa, anunciada por meio de decreto, o sacerdote ficará disponível para exercer a função de missionário em toda a Igreja. “Onde os bispos solicitarem, buscar ajudá-los”, pontua.

Entre as funções a serem desempenhadas está a de “fomentar” a importância do sacramento da reconciliação (isto é, a confissão dos pecados), levando o penitente a fazer desse lugar privilegiado, que é o confessionário, uma ponte para “a experiência profunda com a misericórdia de Deus”, além da promoção de outros trabalhos como missões populares e formação. “A ideia é trabalhar a dimensão da misericórdia como algo inerente à fé”, enfatiza padre Acúrcio, acrescentando que, para o próximo ano, o Papa Francisco já convocou encontro no Vaticano, no qual serão avaliados os frutos da missão, bem como o planejamento dos próximos passos.

Enfermeiro das almas

Quando proclamou o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, o Papa Francisco claramente expressava o seu desejo de que todas as pessoas tivessem acesso ao perdão de Deus. E nomeou alguns sacerdotes para serem “sinal vivo de como o Pai acolhe todos os que procuram o seu perdão”.

Como “pregador da Misericórdia”, padre Acúrcio visitou presídios, hospitais, promoveu formações e pregou retiros. Sobretudo durante a Quaresma, ouviu confissões de enfermos e idosos em suas casas. Com a confirmação do Vaticano, pretende dar continuidade ao serviço de missionário atuando, principalmente, com os romeiros em Juazeiro do Norte, propiciando às paróquias que os acolhem, momentos de encontros e palestras.

“Ajudá-los a fazer uma boa confissão, como se prepararem, e, como o papa sugere, em situações específicas, utilizar o missionário que tem a faculdade da Santa Sé, para aplicar uma ‘absolvição geral’ dos pecados, que compreende deste o dia em que a pessoa passou a ter consciência do uso da razão, como diz a Igreja, até aquele momento em que ela está se confessando, além da aplicação da indulgência plenária”, explica o padre.

Dupla missão

Além de cuidar da formação dos futuros padres, enquanto reitor do Seminário, padre Acúrcio considera o serviço de missionário da misericórdia como mais uma “responsabilidade diante da fé que a Igreja pede”.