Quixadá: Juíza nega liberdade para acusados de crimes de estelionato e associação criminosa

Marcos Antônio da Silva Júnior – o “Marcos Jr.”, 24 anos, e Rafael Rodrigues Pereira, 23, o “Rafael Fuinga” devem permanecer presos, foi o que decidiu a juíza Ana Cláudia Gomes de Melo Oliveira, titular da 2ª vara da Comarca de Quixadá.

“Rafael Galinha”, Fuinga e Marcos Jr. são os acusados pela Polícia Civil.

A Polícia Civil efetuou a prisão da dupla na última terça-feira, 16, e acusa Fuinga e Júnior juntamente com Rafael Ferreira Vieira- o “Rafael Galinha” de integrarem uma sofisticada organização criminosa que aplicavam golpes a cliente e instituições financeiras. O Ministério Público opinou pelo indeferimento dos pedidos.

Visando manter a ordem pública e da conveniência da instrução criminal, decidiu a magistrada em mantê-los em cárcere. A garantia da ordem pública refere-se à prevenção de cometimento de novos crimes, servindo a prisão preventiva, nessa hipótese, para restaurar a credibilidade da Justiça.  A “Conveniência da instrução criminal” assume contornos mais amplos e abrangentes, podendo ser empregada, por exemplo, na hipótese evitar que os réus destruíam provas ou sejam uma ameaça para as testemunhas.

Detalhes desse caso
Delegado se diz surpreso com vazamento de interrogatórios de acusados de estelionato em Quixadá
Estelionatários: Operação da Polícia Civil de Quixadá prende filho de empresário e comparsa
Homem apontado pela Polícia Civil como o maior estelionatário da região Central é preso em Quixadá

Conforme o Delegado Marcus Vinicius, titular da Delegacia Regional de Polícia Civil de Quixadá, o trio vivia de ostentação. Ele aponta “Rafael Galinha” como o chefe da quadrilha, esse para se ter ideia tinha uma vida de rico, viajava para o exterior, andava em carro importado, sua residência é considerada uma mansão e lá era um dos locais onde se concentrava amigos para as farras regadas de bebidas importadas. “Rafael Galinha” ostentava cordão de ouro, fotos em helicópteros e em locais de luxos na capital cearense.

Além de responder por crime de estelionato, associação criminosa, no caso de “Rafael Galinha”, se não comprovar a origem licita de seus bens, pode ainda ser processado por lavagem de dinheiro.

A defesa de “Rafael Galinha” ainda não requereu a sua liberdade provisória. Tudo indica que os advogados “Marcos Jr.” e de “Fuinga” devem entrar com habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará.

Rafael Galinha ostenta em vários locais