Polícia Civil de Quixadá prende mais um acusado da morte do empresário “Maninho da Q’Pão”

Marcelo dos Santos Lima, vulgo “Marcelo Negão” estava com mandado de prisão temporária

Região Central: A Polícia Civil de Quixadá prendeu no último sábado(17) o último acusado da morte do empresário Raimundo Macélio Mesquita Nogueira, 42 anos, conhecido como “Maninho das Pipas” ou “Maninho da Q’Pão”, execução ocorrida no dia 28 de outubro de 2017, durante um bolão de vaquejada no Parque Neto Maia, localizado no bairro Curicaca.

De acordo com a Polícia Civil, o acusado Marcelo dos Santos Lima, vulgo “Marcelo Negão” estava com um mandado de prisão temporária pela suposta prática do homicídio do empresário.

Garante a Polícia Civil, que Marcelo Negão fazia parte da quadrilha do Francisco Alexandre Rabelo Barreto – o “Alexandre Lourão”, e segundo as investigações, era quem pilotava o veículo Voyage que deu fuga ao bando no dia do crime.

Toda a quadrilha foi identificada e os autores que ainda se encontram vivos serão indiciadas por homicídio qualificado e associação criminosa. Há suspeita que o grupo atuava além dos crimes de homicídio, mas também em roubo a banco e tráfico de drogas.

Leia mais (Acusado de homicídio em Quixadá morre em confronto com policiais do COTAR, na zona rural de Banabuiú)

Na última quinta-feira(15), “Alexandre Lourão” morreu durante troca de tiros com policiais do COTAR na localidade de Barra do Sitiá, no município de Banabuiú. Com ele, foram apreendidos uma pistola 9 mm e 47 munições do mesmo calibre 9 mm, além de uma caminhonete Hillux.

No dia seguinte do homicídio um “Suspeito de executar o empresário em Quixadá foi encontrado morto em Morada Nova”. Lucas Rabelo Barreto, vulgo “Luquinha“, (23), bastante conhecido pela polícia.

Entenda o crime

No Parque de Vaquejada Neto Maia, localizado no bairro Curicaca, homens armados assassinaram Raimundo Macélio Mesquita Nogueira, 42 anos, conhecido como “Maninho das Pipas” ou “Maninho da Q’Pão”. No mesmo caso, um homem identificado como “Netão” teria reagido e também foi alvejado com três tiros.

Júlio Neto -Netão é gerente de uma farmácia do grupo Padre Cícero,  ele foi levado ao Hospital Maternidade Jesus Maria José. Nesta mesma ocorrência, o filho de Netão, um estudante de 18 anos foi levado a Delegacia Regional de Polícia Civil, por ter sido encontrado em seu carro, uma pistola taurus, cal ponto 40, com dois carregadores, pertence a Policia Civil do Estado do Para. O rapaz informou não saber a procedência da arma, mesmo assim foi autuado em flagrante com base no art. 16 (Posse ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito), do Estatuto do Desarmamento.