Opinião por Cícero Bandeira: POR QUE PARAR?

Há uma grande mobilização em todo país para uma paralisação geral na próxima sexta-feira, dia 28/04/2017. Instituições de respeito, como a CNBB e OAB já se manifestaram favoráveis e ousadamente cumprem seu papel de proteger os direitos fundamentais à cidadania e manutenção da dignidade.

As reformas propostas pelo Governo Federal violam frontalmente a dignidade das pessoas ao propor leis que abrem caminho para a precarização das condições de trabalho, para que se imponha a força do poder econômico de quem contrata sobre as mínimas condições de negociação de quem procura emprego.

A renda do brasileiro é muito baixa se compararmos aos países desenvolvidos, ou seja, ele depende de salvaguardas trabalhistas que lhe assegurem um mínimo de dignidade para sobreviver. Nos países em que a renda é elevada, o trabalhador pode “comprar” o acesso à saúde, previdência, dentre outros bens fundamentais. Não é o caso do Brasil. Aqui é essencial um estado forte, capaz de suprir, ao menos minimamente os direitos fundamentais.

É notório que o atual governo herdou um país em condições precárias, em estado de calamidade. Mas também é visível que o atual governo tornou-se refém de quem lhe sustenta. Um governo frágil, comandado por um dirigente capaz de tudo para chegar ao final do mandato.

Não! Não dá pra aceitar tamanhos absurdos.

Por que ir pra rua, no dia 28?!

Porque não é possível aceitar de cabeça baixa que nos tirem o que é fundamental: condições mínimas para exercermos dignamente o trabalho, uma das principais formas de edificação do ser humano.

Sabemos que os quase 13 milhões de desempregados do nosso país desejam urgentemente um emprego e que é necessário recuperar a economia, mas não é aceitável usar esse argumento como chantagem para nos impor o inaceitável.

Iremos pra rua, por nós mesmos.

Não iremos pra rua por um partido, nem por um candidato. Cada coisa no seu tempo.

Iremos pra rua para lutar por nossa dignidade.

Iremos pra rua porque não podemos nos acovardar, porque é necessário ter atitude.

Iremos pra rua dizer quem somos. Mostrar que não abrimos mãos do que é fundamental.

Sabemos que nunca tivemos nada de graça, tudo precisou ser conquistado. Que todos os governos se deslumbram com o poder e esquecem do lado de cá.

Sou trabalhador e no dia 28 meu ambiente de trabalho será a rua.

Vamos?

Cícero Bandeira L. Filho
Professor do Município de Quixadá