Modernidade: Escolas de Quixadá terão câmeras para garantir segurança dos alunos e do patrimônio

Região Central: A tecnologia sem dúvida é uma grande aliada e não se pode fugir da realidade, pensando nisso, a Secretaria de Educação de Quixadá vai instalar câmeras de segurança nas unidades de ensino. Os pais terão a certeza que seus filhos estarão em uma escola protegida. Instituição de ensino como a Unicatólica tem um sistema de monitoramento e é quase zero o índice de vandalismo ou furto naquela unidade.

Conforme a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, “a política de segurança eletrônica foi uma das ações apresentadas como proposta de campanha do prefeito Ilário, ainda em 2016 e que virou referência, tendo o governo do estado se apropriado da proposta e incorporado como ação governamental. Quixadá já foi inclusive contemplada com a iniciativa. Temos 08 câmeras instaladas em pontos estratégicos da cidade”.

Acrescenta, que no âmbito do município foram feitos vários estudos e a partir de um planejamento que garante o uso racional e responsável dos poucos recursos existentes, se decidiu programar a implementação da segurança eletrônica em etapas. A primeira seria nos equipamentos públicos, iniciando pelas escolas e estruturas da secretaria da educação.

O sistema eletrônico vai contribuir para a segurança não apenas do patrimônio das escolas, mas também dos alunos. Atos de vandalismo, por exemplo, rapidamente poderão ser cessado com acionamento da Guarda Municipal e Polícia Militar. A tecnologia pode diminuir os conflitos escolares, e também oferecer confortos aos educadores.

Será instalado uma Central de Monitoramento, que em tempo real vai vigiar os ocorridos dentro das escolas. Muitos alunos deixam as escolas pulando os muros em pleno horário de aula, com as câmeras essa triste estatística pode cessar.

A gestão garante que esse aprimoramento da segurança através da tecnologia e otimiza recursos públicos. Quanto aos guardas, haverá um redirecionamento para horários mais compatíveis com a demanda da rotina do município, é condicionante que se consolide uma política mais eficiente de segurança dos equipamentos públicos.

Um profissional de vigilância custa aos cofres públicos R$ 1.813,80 (mil oitocentos e treze reais e oitenta centavos) por mês, o que em um ano representa R$ 21.765,60 (vinte e um mil, setecentos e sessenta e cinco reais e sessenta centavos), se a prefeitura contratar mais 150, o custo em quatro anos seria de R$ 11.318,112,00 (onze milhões, trezentos e dezoito mil, cento e doze reais). É a matemática da gestão.

Em quatro anos a segurança eletrônica custará aos cofres públicos R$ 2.800,00 (dois milhões e oitocentos mil). O processo licitatório será realizado em breve.

Em uma nota pública, o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Quixadá se posiciona contrario a ideia. “O SINDSEP entende que Câmeras de segurança a serem instaladas pela Prefeitura são apenas instrumento para melhoria das condições de trabalho e não podem jamais ocupar o lugar dos profissionais vigias que têm direito a vaga conquista em concurso público.”