sbado, 25 outubro de 2014

Estou Em: Polícia Polícia - Regional “Fábrica” clandestina de armas encontrada em Ocara abastecia Quixadá e região
Informax_setembro3

“Fábrica” clandestina de armas encontrada em Ocara abastecia Quixadá e região

E-mail Imprimir PDF
0-plantao_policial_novo

Uma pessoa foi detida e cerca de 20 armas, entre submetralhadoras, pistolas 9 milímetros, pistola 380 e rifles estavam com um homem, que seria responsável pela fabricação das armas.

argaiv1300

Uma operação sigilosa envolvendo policiais da Delegacia Regional de Quixadá e da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) resultou, na manhã de ontem, na descoberta de uma fábrica de armas de grosso calibre na região entre Quixadá e o município de Ocara (95Km de Fortaleza).

Segundo informações preliminares da Polícia Civil, armas de grosso calibre, como submetralhadoras, escopetas e carabinas eram fabricadas na região e serviam para municiar quadrilhas que vinham atacando bancos no Interior cearense, especialmente das regiões do Sertão Central, centro-Sul, Maciço de Baturité e Vale do Jaguaribe. 

Prossegue

Conforme o diretor do Departamento de Polícia Especializada (DPE), delegado Rommel Kerth, procurado pela Reportagem no fim da tarde de ontem, todas as informações sobre a operação não poderiam ainda ser reveladas, visto que as diligências ainda estavam em andamento.

Segundo Kerth, pelo menos uma pessoa já havia sido presa e as diligências visavam a captura de outros envolvidos na fabricação do armamento pesado.

A fábrica de armas de fogo teria sido montada em Ocara e a Polícia Civil chegou ao local depois de investigações sigilosas feitas a partir da identificação e prisão de envolvidos nas ações contra agências bancárias naquela região do Sertão. O trabalho sigiloso da DRF culminou na informação sobre o armamento que os bandos usavam nos ataques em cidades de pequeno e médio porte. Ao estilo do ‘novo cangaço’, os assaltantes rendiam os moradores depois de sitiar as cidades. Em seguida, os policiais do lugar eram vítimas de emboscada nos próprios prédios dos destacamentos e pelotões, sendo alvo de tiros e, assim, impedidos de sair para tentar impedir o ataque.

Nos bancos, outra parte da quadrilha se encarregava de colocar explosivos nos caixas eletrônicos e cofres para destruir os equipamentos e ter acesso ao dinheiro. Isso se repetiu, pelo menos, 43 vezes. Alguns ataques foram bem sucedidos para os ladrões. Outros, acabaram sendo frustrados pela inabilidade dos ladrões em manusear os artefatos ou pela intervenção policial.

Cidades

As cidades cujos ataques foram seguidos de explosões de bancos se espalham por praticamente todas as regiões do Estado do Ceará, entre elas, São Gonçalo do Amarante, Senador Sá, Monsenhor Tabosa, Pacatuba, Jijoca de Jericoacoara, Tejuçuoca, Palmácia, Morada Nova, Apuiarés, Jaguaribara, Tamboril, Senador Sá, Pentecoste, Monsenhor Tabosa e Aracati.

Mais recentemente, duas operações da Polícia Militar resultaram em tiroteios que terminaram na morte de, pelo menos, sete assaltantes. A primeira ocorreu após o ataque à cidade de Itarema, no litoral Oeste do Estado (237Km de Fortaleza), onde um confronto deixou dois bandidos mortos, além de um morador daquela cidade. A Polícia apreendeu um forte armamento e explosivos usados pelos ladrões. Parte do bando foi presa posteriormente.

Já em Ararendá, um confronto deixou seis mortos, entre eles, um soldado da Polícia Militar que trocou tiros com os ladrões em fuga. Posteriormente, em um cerco da PM, cinco assaltantes também tombaram.

Conforme dados oficiais, neste ano, foram registrados 88 ataques a bancos e postos bancários no Estado do Ceará. Os três últimos aconteceram num único dia, 11 de dezembro, quando agências foram assaltadas em Fortaleza, Ararendá e Ocara.

E foi a partir da ação da quadrilha que agiu em Ocara, quando um cofre do Banco do Brasil foi roubado pelos ladrões, que a Polícia Civil aprofundou as investigações e, ontem, chegou ao local onde as armas dos criminosos eram fabricadas.

Prisão

Em outra operação realizada ontem, policiais do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque), destacados na Companhia Comando Tático Rural (Cotar), sob o comando do capitão Rodrigues, capturaram um suspeito de assaltos a bancos no Vale do Jaguaribe.

A prisão aconteceu na cidade de São João do Jaguaribe (213Km de Fortaleza), onde foi preso Rael Paula da Silva, 21. Ele realizava manobras perigosas em um Gol preto nas proximidades da sede do Destacamento da PM da cidade, quando oi abordado. Com ele, foi encontrado um revólver de calibre 22. Segundo a Polícia, ele teria participado do assalto à agência do Bradesco local no dia 26 de julho último.

 Com informações do Diário do Nordeste / Fernando Ribeiro / Editor de Polícia

Adicionar comentário

AVISO: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio do portal REVISTA CENTRAL não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O portal REVISTA CENTRAL reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários, visando garantir a privacidade das informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de e-mail) também poderão ser excluídos. Informamos que todos os comentários ficam registrados a numeração de IP.


Código de segurança
Atualizar


Compartilhe