sbado, 25 outubro de 2014

Estou Em: Colunas Reforma Ortográfica Reforma Ortográfica: História ou Estória?
Informax_setembro3

Reforma Ortográfica: História ou Estória?

E-mail Imprimir PDF
Reforma_Ortografica

"Recomenda-se apenas a grafia história, tanto no sentido de ciência histórica, quanto no de narrativa de ficção".

argaiv1300

A palavra estória, comumente aceita como sendo um relato de fatos não comprovados (ou fictícios), fora designada para tal fim no início do século XX, por um acadêmico brasileiro – mas sem respaldo etimológico.

Etimologistas dizem, no entanto, que tal neologismo é uma “frescura” estilística, uma vez que, na língua portuguesa, não há razão linguística para adotá-lo, mesmo quando se queira diferenciá-lo de história.

Envolto pela tradição folclorista do termo, o conhecido escritor Guimarães Rosa acabou publicando, em 1962, um livro com o título Primeiras Estórias.

O Aurélio, 4ª Edição, também condena o verbete estória: "Recomenda-se apenas a grafia história, tanto no sentido de ciência histórica, quanto no de narrativa de ficção, conto popular, e demais acepções".

Portanto, segundo recomendação etimológica, não se deve usar o termo estória, mesmo em se tratando de evento fictício. Use somente história (com h).

Fica registrado, assim, o erro do consagrado Guimarães Rosa. Erros de português, portanto, são encontrados inclusive por parte de quem julgamos incapazes de cometê-los.

Alguns modernistas brasileiros, por exemplo, tendo à frente o poeta Mário de Andrade, defendiam que uma frase poderia ser iniciada por um pronome átono, ao contrário do que dizia - e ainda diz - a regra gramatical pertinente ao caso.

Eles defendiam, deste modo, que frases do tipo "O vi hoje", são corretas. Ou ainda "As conheci há pouco". A reação não demorou a chegar, o que fez os modernistas recuarem, com exceção de Mário de Andrade, que mesmo diante das ponderações de Manuel Bandeira, preferiu continuar no erro.

Robério Fernandes
Colunista
Coluna "Reforma Ortográfica"

É Licenciado em História e ex-professor de matemática financeira. Autor do livro “Manual de português para o dia a dia forense”. É servidor concursado do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará. Ministra cursos sobre a nova reforma ortográfica. Em 2009 foi facilitador do referido curso na Comarca de Acopiara e em 2010 e 2011 na Comarca de Aquiraz, tendo como destinatários juízes, promotores, advogados e servidores do Judiciário e do Ministério Público. É autor de três blogs, um dos quais voltados exclusivamente para a língua portuguesa, com postagens semanais.

 

Adicionar comentário

AVISO: todo e qualquer comentário publicado na internet por meio do portal REVISTA CENTRAL não reflete, obrigatoriamente, a opinião deste portal. Os textos publicados são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O portal REVISTA CENTRAL reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Informamos ainda que poderá haver moderação dos comentários, visando garantir a privacidade das informações. Textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação (nome e endereço válido de e-mail) também poderão ser excluídos. Informamos que todos os comentários ficam registrados a numeração de IP.


Código de segurança
Atualizar