Estudando medicina aos 19 anos, jovem de Madalena teve ajuda de projeto de bolsas para famílias de baixa renda

Natural de Madalena, no Ceará, Túlio Amorim, 19 anos, ingressou em medicina na UFC com ajuda do projeto Primeira Chance. (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)

Aos 14 anos, o estudante Túlio Amorim saiu do município de Madalena, na região Central do Ceará, para cursar o Ensino Médio na capital. A mudança foi proporcionada pelo ingresso no Projeto Primeira Chance, programa de bolsas de estudo que recruta jovens talentos de famílias de baixa renda para estudar em escolas particulares. A chance resultou em uma virada de vida significativa para o jovem, que, atualmente aos 19 anos, cursa o 6º semestre de medicina na Universidade Federal do Ceará.

Criado pela mãe, uma auxiliar de serviços gerais, o estudante de escola pública na cidade de origem participava de olimpíadas e se destacava como aluno.

“Sempre fui um bom aluno, desde pequeno participava das olimpíadas”, garante.

Por causa do desempenho escolar, recebeu uma carta do Projeto Primeira Chance recrutando para o processo seletivo. Foram duas etapas, com prova de português, matemática e redação, e posterior entrevista com o candidato e seu responsável.

A mãe de Amorim, que estudou até o ensino fundamental, mas não pôde concluí-lo, trabalhava na escola onde o filho estudava, no interior, e foi sua principal incentivadora para os estudos.

“Ela trabalhava na escola e via nisso uma oportunidade pra eu ter uma vida melhor. Ela incentivava, mas não forçava”, ele comenta.

A figura de um professor de matemática apaixonado pelo ensino, que o orientava para competir nas olimpíadas, também marcou a trajetória do rapaz. “Foi um professor muito importante, ele estava fazendo mestrado e empolgado com o ensino, sempre foi muito focado, gostava de preparar os estudantes pra essa olimpíada. Se qualificou, terminou o mestrado e continuou na educação básica”, relembra com alegria Amorim.

Como todo início, a mudança de escola e de cidade teve suas dificuldades. “No começo foi conturbado, a mudança de dinâmica de vida mesmo, e a escola que tinha nível diferente, mas a gente tinha um mentor pra orientar cada bolsista. Na época eles davam moradia pros estudantes que não tinham onde ficar em Fortaleza, então fiquei num pensionato bancado pelo projeto por dois anos”, conta.

Concluído o ensino médio, o jovem percebeu que o próximo caminho seria a medicina. “Vinha pensando em engenharia, mas acabei fazendo medicina, vi na medicina possibilidade maior de ajudar as pessoas.”

Atualmente, o universitário mora em uma república estudantil da UFC e está na metade do curso. “Se não tivesse conhecido o projeto teria sido bem mais difícil. Dificilmente teria continuado em Madalena, mas não teria chegado tão longe. Eu não pensava em fazer medicina, ele abriu as portas e hoje em dia tô muito realizado”, analisa o universitário.

Com informações do G1 CE