Direito da Biocombustível diz que usina de Quixadá é uma das mais versáteis em operação no País

Al_Biocombustvel“Ela faz biodiesel de praticamente qualquer matéria prima, seja óleo de peixe, óleo de gordura residual, entre outros.”

A estiagem no Ceará obrigou a busca por alternativas para uma convivência com a seca e meios para diminuir o sofrimento do povo. A afirmação é da deputada Mirian Sobreira (PSB), e foi feita durante a audiência pública que discutiu, na tarde desta terça-feira (24/09) na AL, a situação da Usina de Biodiesel de Quixadá.

Para a parlamentar, é importante que a usina possa contribuir para o desenvolvimento do Ceará e seja útil para atender às necessidades da população que sofre com a estiagem.              

“O grande patrimônio e o legado que vamos ter dessa estiagem é a busca por meios para aprendermos a conviver com a falta de chuvas, e entre uma das muitas alternativas está a usina, que vejo como um projeto que nasceu com o objetivo principal de promover a inclusão social e o desenvolvimento do semiárido”, salientou Mirian.

A deputada Rachel Marques (PT) pontuou os impactos que a usina traz para a região. “Compreendo esta usina como de grande importância, não só do ponto de vista ambiental, mas como um passo revolucionário que a Petrobras está dando ao estimular a geração de energia a partir das oleaginosas no semiárido nordestino”, ressaltou Rachel.

Segundo o diretor de Suprimento Agrícola da Petrobras Biocombustível, João Augusto Araújo Paiva, a Usina de Biodiesel de Quixadá foi instalada com a missão de produzir biocombustível no semiárido, buscando a estruturação de cadeias produtivas agrícolas de suprimento.

Ainda para o diretor da Petrobras, a usina é uma das mais versáteis em operação no País e corresponde a quase todo o biodiesel demandado no Ceará.

“Ela faz biodiesel de praticamente qualquer matéria prima, seja óleo de peixe, óleo de gordura residual, entre outros. Também é importante frisar que enquanto outros estados do Nordeste importam biodiesel, nós não precisamos fazer isso porque somos fornecedores deste material”, enalteceu João Augusto Araújo.

Também estiveram presentes à audiência, o coordenador da Área de Biodiesel da Secretaria de Desenvolvimento Agrário do Estado do Ceará, Roberto Virgínio; a coordenadora de Políticas Ambientais da Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza, Edilene Oliveira; o coordenador do Projeto Biopeixe da Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial do Ceará (Nutec),  José Tarcísio Costa Filho; a diretora de Empreendedorismo e Negócios da Nutec, Ana Luiza Maia; dentre outras autoridades.