Deputada Rachel Marques critica votação que barrou investigação contra Temer

A deputada Rachel Marques (PT) lamentou, durante o primeiro expediente da sessão plenária desta quinta-feira (03/08), a votação de ontem, na Câmara dos Deputados, que barrou a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Segundo a parlamentar, o presidente é acusado de corrupção passiva, porém as investigações não continuarão no Supremo Tribunal Federal. “O que aconteceu ontem foi um absurdo”, assinalou.

Rachel Marques observou que os parlamentares que escolheram votar em não dar prosseguimento às investigações contra o presidente foram “comprados”. “Temer é um golpista e utilizou mais de R$ 4 bilhões em emendas e cargos em troca de votos. Ele conseguiu se livrar das investigações, através de deputados federais que deram as costas para o povo brasileiro”, criticou.

A deputada salientou que o Governo Temer tem mais de 80% de rejeição do povo. “Ele retira direitos dos trabalhadores e está fazendo um desmonte no País. O povo vai continuar gritando Fora Temer e pedido as eleições diretas já”, afirmou.

Rachel Marques comentou ainda sobre as políticas públicas do Governo do PT que viabilizaram a instalação de cursos de Medicina no interior do Estado. Segundo a parlamentar, por conta do Programa Mais Médicos, implantado pela ex-presidente Dilma Rousseff, e da valorização do ensino superior e criação de novas universidades no Governo de Lula, o Ceará poderá receber faculdades de Medicina no Interior.

Em aparte, o deputado Moisés Braz (PT) lamentou que os deputados federais tenham votado, ontem, pela não continuidade das investigações contra Michel Temer. “Temer deve ser investigado. O povo precisa ir às ruas para garantir que o Governo não continue acabando com o direito dos cidadãos”, disse.

O deputado Carlos Felipe (PCdoB) comemorou a viabilidade das faculdades de Medicina no Interior do Estado e lembrou a necessidade de os cursos serem ministrados com qualidade para que formem bons profissionais.

GM/AT