Coluna Amadeu Filho: Aziz Baquit, 11 anos de saudade – administrou Quixadá com a sua simplicidade e respeito aos mais humildes

Aziz Okka Baquit (Quixadá, 25 de agosto de 1935 – Fortaleza, 24 de maio de 2007)

Durante certo tempo, a terra dos monólitos parou para acompanhar com bastante apreensão o estado de saúde de um de seus filhos mais ilustre e querido não só na cidade mas nos sertões a quem tanto deu atenção quando que esteve à frente do governo quixadaense nos anos de 1973 a 1977(primeiro mandato) e 1983-1989(segundo mandato). Antes foi vereador da Câmara Municipal de Quixadá em 1959. O coração de Aziz Okka Baquit não teve como suportar a imensa carga de preocupações e responsabilidade de proporcionar uma vida melhor para os filhos de Quixadá, em especial, os mais humildes. E, durante algum tempo ficou longe daqueles que tanto o amavam.

Prova maior desse carinho e grande tristeza que tomou conta de todos foi o fato de se unirem em preces para que seu coração continuasse a bater e assim servindo a cidade que sempre amou. Para ele não havia este papo de distinção social e a todos recebia com aquela mansidão e habitual cumprimento: “Tudo bem, meu jovem?” Mas Deus que tudo comanda, confortou a todos e trouxe de volta ao nosso convívio o homem que foi símbolo da simplicidade e do amor ao próximo. Jamais, em tempo algum, foi político profissional mas um funcionário do povo como gostava de ser chamado. A sua volta parece ter alegrado até as pedras pois delas recebeu um afetuoso abraço. Parece até que elas tinham certeza de seu retorno. O carinho que Aziz recebeu nos seus difíceis momentos foi uma forma de gratidão dos quixadaenses a uma pessoa que não se negou a socorrer quem dele precisasse.

Aziz e o industrial Benjamin Oliveira

O ex-vereador e industrial Junnior Capistrano contou a nossa reportagem que uma senhora muito doente precisava ser transferida para Fortaleza com urgência, mas só que ninguém quis emprestar seu transporte pois a terrível doença contaminava qualquer ambiente. Aziz que havia comprado um carro na véspera, ordenou que o motorista conhecido como Coquinho a levasse até a capital com a recomendação de só retornar quando ela fosse atendida pelos médicos, inclusive indicado por ele.

Quando esteve à frente dos destinos de sua querida Quixadá esta possuía uma vasta área territorial, pois ainda não tinha acontecido a emancipação política de Ibareama, Banabuiú e Choró. Mesmo dispondo de parcos recursos conseguiu com habilidade e serenidade imprimir um governo cujo objetivo maior era dar assistência as áreas mais pobres da bela cidade. Os analistas da administração de Aziz sempre exaltaram o fato da Educação ter sido a sua meta prioritária, daí o fato de ter sempre contado com a firme colaboração de José Airton Borges, Francy Gurgel, Regina Holanda Amorim, professor Luiz Oswaldo e outros nomes de escol da área educacional.

Aziz e Adauto Lino que foi vereador em quixadá

O envolvimento de Aziz, dos educadores e de toda a comunidade foi fundamental para o surgimento da tão sonhada FECLESC (Faculdade de Educação Ciências e Letras do Sertão Central). Ele construiu 17 prédios escolares nos distritos de Ibaretama, Choró e Banabuiú para funcionamento de escolas de primeiro grau e realizou melhoramentos na parte física de muitos estabelecimentos de ensino.

Sempre teve grande preocupação com as pessoas idosas e que estavam desamparadas, tendo fundado a “Casa do Idoso” que foi responsável por amparar durante bom tempo essa fatia da população. Louve-se o trabalho das senhoras Paula Francinete Diógenes Baquit, primeira dama, e Maria Vilanir França de Lima. Se faz necessário lembrar que a vice-prefeita Regina Amorim participava das grandes decisões tomadas por Aziz que fazia questão de ouvir a todos os seus auxiliares.

Aziz e o grande amigo José Adolfo

Algumas vezes, Regina Amorim assumiu a chefia do executivo e o fazia com seriedade e dedicação. O memorialista João Eudes Costa faz questão de afirmar que durante seus dois mandatos, Aziz sempre contou com o apoio incondicional do seu amigo Everardo Silveira, que na qualidade de médico e deputado sempre se mostrou disposto a colaborar.

Gostava de esportes e nos seus dois mandatos aconteceram diversas competições esportivas. Em seu governo que foi construído o Ginásio Coberto Governador Gonzaga Mota com capacidade para 6.000 pessoas. A iluminação do Estádio Municipal então com a denominação de Imigrantes foi iniciativa da Prefeitura e possibilitou uma melhor utilização daquela praça de esportes. Nos bairros que apresentavam as maiores carências, o inesquecível homem público deu total assistência dentro das possibilidades financeiras do município. Citamos apenas algumas das realizações das administrações do prefeito que verdadeiramente, se tornou um amigo do povo.

O pai industrial Abraão Baquit

Filho do industrial Abraão Baquit, de família libanesa, nasceu na terra dos monólitos em 25.08.1935 e é irmão de José Baquit que também administrou Quixadá nos anos de 1963 a 1967.  O seu filho Osmar Baquit é deputado estadual e outros componentes da família atuam em setores ligados as últimas administrações, seja no poder executivo ou legislativo.

Por mais que o nome Aziz seja ligado ao fator político, ele será lembrado como aquele cidadão que sempre despertou nas pessoas sentimentos de confiança, de amizade e uma simplicidade a toda prova. Sabe aquele tipo de pessoa que nos faz bem? Assim era este quixadaense querido  que tornou-se cidadão do céu em 24.05.2007. Uma verdade absoluta foi que Aziz amava Quixadá e sua gente. Quando esteve em São Paulo onde foi operado pela equipe médica do renomado cardiologista Dr. Zerbini, logo que iniciou o período de recuperação perguntava aos familiares e amigos quando voltaria a sua querida Quixadá.  Certa vez quando lhe propuseram uma candidatura a Câmara Federal, Aziz assim se expressou: “Se for para sair de Quixadá não quero nem a Presidência da República!

Aziz Baquit, com certeza, continua vivendo em nossa saudade.

____
Autor

Amadeu Filho
Colaborador da RC
Colunista
Radialista Profissional