Atiradores matam ao menos oito em escola em Suzano, na Grande São Paulo

(foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)

Um atentado a tiros ocorreu em uma escola de Suzano, no interior de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (13).

Estão confirmadas dez mortes: quatro eram alunos do ensino médio e dois, funcionários da Escola Estadual Raul Brasil. Um dos alunos mortos é uma menina. Outras duas pessoas morreram em hospital e ainda não se sabe se eram alunos ou funcionários da instituição. Outras 15 pessoas ficaram feridas.

Além dos bombeiros, o Helicóptero Águia, da Polícia Militar, e equipes do Samu foram acionados. Equipes do Corpo de Bombeiros de Mogi das Cruzes foram chamadas para dar apoio às 9h50.

Os dois adolescentes que invadiram a escola para cometer o crime se mataram na sequência. O coronel Salles, da Polícia Militar, disse que, antes de entrar na escola, os dois atiradores dispararam contra o proprietário de um lava rápido que fica em frente à escola. Neste momento, o homem está passando por cirurgia na Santa Casa de Suzano.

O coronel Salles informou ainda que os atiradores entraram na escola na hora do intervalo. Um deles usava máscara de caveira e luvas. Primeiro, eles atiraram em uma coordenadora pedagógica e em uma supervisora. Depois, se dirigiram ao pátio, onde atingiram alunos de ensino médio. Depois seguiram para um centro de línguas.

Além dos bombeiros, o Helicóptero Águia, da Polícia Militar, e equipes do Samu foram acionados. Equipes do Corpo de Bombeiros de Mogi das Cruzes foram chamadas para dar apoio às 9h50.

O atentado causou caos e pânico. Imagens gravadas dentro da escola logo depois do atentado mostram os estudantes correndo, se deparando com os corpos no chão e gritando em desespero. Eles pularam o muro da escola e procuraram abrigo no comércio da região.

A professora Sandra Perez falou sobre o ataque. “Foi às 9h30. Ouvimos disparos. Estava na sala de aula, na hora do intervalo. Pensei que fossem bombas. Quando eu percebi que eram tiros fiquei lá. Só saí quando os policiais chegaram, 20 minutos depois”, contou.

Na mochila dos atiradores havia três coquetéis molotov, duas bestas (lança-seta) e um revólver 38. Uma terceira mochila foi encontrada com uma espécie de bomba, de acordo com informações do Major Caruso, subcomandante do 32.º Batalhão com sede em Suzano.

Conteúdo: Estado de Minas