Após 90 dias prejudicando os aposentados, Câmara de Quixeramobim aprova projeto do Quiprev

Os vereadores de Quixeramobim não tinham alternativas a não ser aprovar um projeto de lei que beneficia os aposentados e pensionistas, a base da oposição era contra, mas teve que votar a favor diante da pressão popular.

O projeto já deveria ter sido apreciado pela Casa do Povo a mais de 90 dias, mas a oposição do ‘quanto pior melhor’, não permitiu, prejudicando os aposentados e pensionistas. Acuados pela pressão popular, o projeto enviado pelo prefeito de Quixeramobim Clébio Pavone foi aprovado por unanimidade.

Com a aprovação, a prefeitura deverá colocar em dias os salários dessa categoria. Sem dúvida se a Câmara de Quixeramobim, na presidência François Saldanha já tivesse colocado em pauta nada disso teria ocorrido, mas por o presidente é da oposição, o projeto estava travada naquela Casa Legislativa.

Leias mais – Maldade: Câmara de Quixeramobim não quer votar projeto e prejudica aposentados e pensionistas

A base da oposição ainda tentou tirar proveito da situação, mas o tiro saiu pela culatra quando os aposentados e pensionistas descobriram quem era o verdadeiro responsável por não votar no projeto.

O prefeito Clébio Pavone deverá colocar em dias os salários dos aposentados e pensionistas e no dia 10 dos demais servidores.

Veja: QUIPREV: Ex-prefeitos quebraram a Previdência de Quixeramobim e o rombo passa dos R$ 400 milhões

Com o projeto, a Câmara Municipal de Quixeramobim alterou o artigo 109 da Lei Complementar 001/2006, assim, o Fundo Previdenciário foi extinto e  unificando o regime de financiamento Instituto de Previdência.  Em 2012, aposentados e pensionistas denunciaram atrasos de dois meses – veja https://www.youtube.com/watch?v=rxpMWi3TvEI

O vereador Teodomiro fez um desabafo sobre a demora: “o Presidente ficou segurando debaixo do braço e chamando os vereadores para Câmara para discutir”, segundo ele, se tivesse sido colocado em votação nada disso teria ocorrido. Com a aprovação, o prefeito fez o pagamento, provando que só dependia da votação dos vereadores.