Evento discute projeto de criação de geoparque nos municípios de Quixeramobim e Quixadá

Geoparque contempla as áreas monolíticas de Quixeramobim e Quixadá (Foto: Geoparque Sertão Central)

Quixeramobim: Pesquisadores, professores e apreciadores da geografia monolítica da região Central cearense, realizam nesta quarta-feira (14) um evento para discutir o Projeto Geoparque Sertão Monumental: Natureza, Cultura e Educação. A iniciativa é da professora da Faculdade de Ciências e Letras do Sertão Central (Feclesc), arqueóloga e antropóloga, Marcélia Marques.

O evento segue até esta quarta-feira (15), com participação aberta ao público, na Escola Profissionalizante Dr. José Alves da Silveira, Avenida Humberto Sena, em Quixeramobim. Os idealizadores do projeto vão discutir a implementação de um geopark que abrange os municípios de Quixadá e Quixeramobim, que se destacam em seu aspecto geográfico pelos monólitos que abrigam.

Na manhã desta terça, está marcada na programação do evento, a apresentação do projeto por Marcélia Marques. Em seguida ocorre uma mesa redonda para debater o assunto. Entre os convidados estão o Dr. Luís Freitas, da Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais, a professora Vaneicia Gomes e o professor Felipe Monteiro.

Na parte da tarde está prevista na programaçao uma visita à geotrilha do Complexo Urbano Colonial de Quixeramobim. Já na quarta os participantes percorrem a trilha do sítio arqueológico Lagoa do Fofô, no distrito de encantado.

O projeto para a criação de um geoparque abrange os municípios do Sertão Central cearense, Quixadá e Quixeramobim. Vinte geossítios e sítios de geodiversidade foram selecionados na proposta e quantificados segundo a metodologia do Geossit do Serviço Geológico. O resultado é: dois geossítios de relevância internacional, onze sítios de relevância nacional e sete sítios de relevância local/regional.

O objetivo dos integrantes do projeto é desenvolver uma proposta de criação de um Geoparque Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). O evento recebe o apoio da Universidade Federal do Ceará (UFC), Instituto Federal do Ceará (IFCE), Universidade Estadual do Ceará (Uece), Serviço Geológico do Brasil, e da Prefeitura de Quixeramobim, além da própria Feclesc.