Quixadá: Polícia Civil prende empresário acusado de aplicar golpes usando pagamento de boleto bancário

As vítimas dos golpes eram a população em geral, mas principalmente idosos. Foto: divulgação

Um estabelecimento onde eram cometidas práticas de estelionato e agiotagem foi fechado, na manhã desta quinta-feira (25), pela Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE). A ação aconteceu após o cumprimento de um mandado de prisão expedido em decorrência de uma investigação conduzida pela Delegacia Regional de Quixadá, na Área Integrada de Segurança 20 (AIS 20) do Ceará. Um empresário suspeito de aplicar golpes usando o pagamento de boletos bancários foi preso.

Conforme as apurações, que iniciaram em 2019, os crimes eram cometidos no exercício da atividade empresarial do suspeito. As investigações apontam que quando pessoas buscavam o pagamento de boletos bancários, elas eram ludibriadas pelo dono do local. Ou seja, as vítimas efetuavam o pagamento e recebiam comprovantes de agendamento que eram cancelados em seguida pelo proprietário, identificado pelo nome de Jairo Ferreira Holanda, 38 anos.

As vítimas dos golpes eram a população em geral, mas principalmente idosos, como explica o delegado municipal de Quixadá, Ícaro Gomes . “Outro modus operandi do suspeito era, por exemplo, quando a pessoa ia até o estabelecimento para emitir a fatura do cartão, ele se aproveitava e tirava foto da parte da frente do cartão e também da parte de trás, onde fica o código de segurança, e realizava compras.”

“Ele também se apresentava como representante de banco a fim de fornecer empréstimos, ou seja, ele simulava uma contratação com o cartão da vítima, que concordava. Depois, ele recebia o dinheiro daquela suposta compra, passava uma parte do empréstimo para o interessado, ficava com uma porcentagem a título de comissão, mas em seguida buscava a empresa do cartão para cancelar, informando que não havia adquirido o empréstimo. Nesse caso, o prejuízo ia para os bancos ou para a administradora do cartão”, destacou o delegado.

Atualmente, Jairo Holanda, que teve um mandado de prisão cumprido contra ele, é réu em ação penal e responde a 18 crimes de estelionato e oito de agiotagem. Hoje, durante a operação policial, o estabelecimento comercial situado Centro de Quixadá e onde ocorreriam os crimes foi fechado. A medida ocorreu também em razão das investigações da Polícia Civil e por determinação do Poder Judiciário.

“Além de demonstrar a força do Estado no sentido de cessar essa ação criminosa, para garantir a ordem pública, também foi imprescindível para que ele saiba que nós estamos de olho nessas práticas criminosas”, finalizou Ícaro. O homem agora se encontra à disposição da Justiça.