Chuvas em março, abril e maio tem 50% de chances de ficarem abaixo da média, confirma Funceme

Chuva no estado deve ficar entre 50% abaixo da média, conforme a Funceme (Foto: arquivo RC)

A Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) confirmou em um novo balanço que entre os meses de março, abril e maio as chuvas tem 50% de chances de ficarem abaixo da média no estado. O novo prognóstico foi divulgado pelo na manhã desta segunda-feira (22).

A Funceme é o órgão cearense responsável pela previsão do tempo e climática do Ceará, portanto, é o mais importante e confiável órgão que elabora estudos e análises sobre o período de chuvas. O prognóstico climático para o trimestre indica 50% de probabilidade de chuvas abaixo da média, 40% em torno da normalidade e ainda 10% de chances do acumulado total ser acima da média histórica.

Até este momento, as precipitações do primeiro mês da Quadra Chuvosa encontram-se com desvio negativo de 21,5%. Os dados são parciais, porém, a expectativa para os próximos meses é de alerta, já que, no 1º prognóstico, havia uma tendência de acumulados mais expressivos apenas no noroeste do Ceará.

No fim de janeiro a Funceme já tinha divulgado em um balanço que o Ceará tinha mais chances de ter chuvas abaixo da média. Ocorre que além do estudo realizado para todo o período de chuvas, a Funceme também elabora previsões para os três meses considerados os mais chuvosos, e o resultado não foi nada animador.

Essa tendência de instabilidade nas chuvas está se apresentando desde a última semana. Na última segunda-feira (15), algumas regiões do Ceará tiveram chuvas acima de 200 mm. Em Tauá, por exemplo, ruas cederam e trechos ficaram totalmente comprometidos. Dois dias depois, o sol surgiu para boa parte do estado e a chuva foi mínima. No sábado e no domingo a chuva retornou com mais força para maior parte do Ceará.

“Nós atualizamos as condições oceânicas para inicialização do sistema de modelagem numérica da Funceme e combinados com resultados de outros centros de pesquisa. Com isto, chegamos a um resultado final para estes cenários mais prováveis no que diz respeito aos totais de precipitação para o Estado do Ceará”, comenta o presidente da Funceme, Eduardo Sávio Martins.