Profetas da Chuva destacam que 2021 será de bom inverno e reascende esperança no sertanejo

O evento aconteceu no Paço da Prefeitura de Quixadá. Foto: Márcio Guedes

A depender da previsão dos profetas da chuva de Quixadá, o ano de 2021 deve ser o ano das água. Chuva, muita chuva, capaz de encher barreiros, favorecer a agropecuária e dar sustento para quem vive da agricultura familiar. Com capacidade reduzida tendo em vista as medidas de segurança impostas em função da pandemia, 12 profetas da chuva se reuniram neste sábado (23) para a realização de mais uma edição do Encontro dos Profetas da Chuva. O evento aconteceu no Paço da Prefeitura de Quixadá com presença restrita de convidados e imprensa.

O evento é realizado desde 1996 e se consagrou como um dos mais importantes momentos de fomento à cultura e de valorização da figura do sertanejo que, sentado no alpendre, vendo o comportamento dos fenômenos da natureza, passou a realizar suas previsões e arriscar se o inverno será bom, ou se as chuvas ficarão abaixo da média. Quase sempre as previsões são otimistas, de chuvas bem acima do que é realmente esperado, fato que se repetiu este ano, por unanimidade.

Dona Lourdinha, uma das mais antigas profetisas de Quixadá e a única mulher participante do evento neste ano, destacou que 2021 será de boas chuvas. “Pode esperar que vai ser um ano de chuva boa, vai vir coisa boa”. A sabedoria popular se mistura com a ciência e forma a história de personagens que se dedicam durante todo o ano a observar fenômenos e estudar dados, como o senhor Luiz Gonzaga, de Camocim, o único convidado desta edição. Ele acertou a previsão do ano passado e disse que o ano de 2021 deverá ser igual ou melhor. “Estão falando aí na Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), mas esqueceram de observar o movimento do sol, que está indo do Sul para o Norte”, disse.

Há até quem consiga enxergar um ano intenso, como o senhor Francisco Alves Batista, um quixadaense que chamou atenção de quem tem pequenos açudes em propriedade rurais, os chamados barreiros. “Olhe lá se esses barreiros aí aguentar. O inverno deste ano vai ser como o inverno de 1980. Alguém lembra, como foi o inverno de 80? Choveu quase um mês sem parar e depois quando parou foi de uma vez. Pois vai ser assim esse ano”.

O evento dos Profetas da Chuva começou como uma pequena roda de conversa, onde amigos levavam seus experimentos e compartilhavam experiências e sabedoria através de previsões. De tão pioneira, a iniciativa foi se expandindo e ganhando cada vez mais notoriedade. Os Profetas já foram temas de livros, documentários de TV e até de reportagens especiais. Helder Cortez, idealizador do encontro desde a sua primeira edição, afirma o potencial que o encontro possui. “Para a cidade, é uma forma de valorizar a cultura e a imagem desses profetas. Quixadá foi a primeira cidade do Brasil onde foi construído um açude, que foi o Cedro, então temos muita representatividade e devemos valorizar isso”, afirmou.

No evento o prefeito de Quixadá assinou junto a autoridades uma ordem de serviço. Foto: Márcio Guedes

No evento o prefeito de Quixadá assinou junto a autoridades a ordem de serviço para a construção de cinco sistemas de abastecimento de água que devem assistir centenas de famílias da zona rural de Quixadá. Serão mais de R$ 6 milhões investidos no município em menos de um mês de gestão pública, por meio de uma parceria com a Fundação Nacional da Saúde (Funasa). “É uma grande alegria, entregar essas obras para que nosso povo de Quixadá possa ter uma vida melhor, tendo água de qualidade em suas casas. É o fim de uma longa espera para essa gente, e como prefeito, tenho muito orgulho em poder ajudar a tornar isso realidade”, destacou Ricardo Silveira.