Oito municípios do Sertão Central ainda não foram cobrados pelo MPCE a apresentarem plano de vacinação contra Covid-19

A cidade de Ibaretama tem Um centro de Atendimento para Enfrentamento ao COVID-19 (foto: RC)

Região Central: O Ministério Público do Ceará (MPCE) tem intensificado a fiscalização nos municípios para saber se os protocolos locais de vacinação contra a Covid-19, estão seguindo as orientações técnicas e prioridades definidas pelo Ministério da Saúde no Plano Nacional de Imunização (PNI). A rigidez na fiscalização é tanta que um levantamento feito pelo Revista Central mostrou que no Sertão Central apenas oito cidades ainda não foram alvo de medidas impostas pelo órgão.

O resultado pode ser comprovado a partir dos números fornecidos pelo MPCE da quantidade de cidades que já tinham sido alvo de recomendações do órgão fiscalizador. Na Região Central do estado, Canindé, Caridade, Ibicuitinga, Ibaretama, Itatira, Senador Pompeu, Quixeramobim e Paramoti foram as únicas que ainda não tiveram cobradas os dados sobre a imunização municipal. O levantamento refere-se aos dados divulgados até a noite desta segunda-feira (25).

Entre os municípios que ainda não receberam nenhuma recomendação do MP há situações bastante peculiares. Em Canindé, por exemplo, onde os números de óbitos é um dos maiores entre os municípios da região, a Prefeitura ainda não divulgou em suas redes sociais os números do vacinômetro. Por outro lado, em Senador Pompeu o detalhamento é tamanho que dá para saber até quais profissionais foram imunizados. A maioria enfermeiros (26).

Em Quixeramobim, o prefeito Cirilo Pimenta divulgou o plano municipal de vacinação contra a Covid-19, no dia 19 de janeiro e passou a divulgar o vacinômetro três dias depois. Faz bem lembrar que conforme o Revista Central explicou, ontem, as prefeituras, até então, não tinham a obrigação de informar esses dados para a população. Muitas passaram a adotar esse método depois de terem sido alertadas pelo Ministério Público.

A vacina contra a Covid-19 representa uma esperança aos brasileiros que assistiriam mais de 200 mil vidas serem perdidas desde que a pandemia começou. Mas o jeitinho brasileiro de conseguir driblar protocolos e conseguir furar a fila para ser vacinado mesmo sem ser do grupo prioritário, por exemplo, começou a chamar atenção da justiça em todo o País.

No Ceará, até ontem, o MPCE já tinha notificado 56 municípios a apresentarem Plano de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. Além da infraestrutura local e dos recursos humanos disponibilizados para a imunização, o órgão ministerial requer a apresentação de uma estratégia para evitar desrespeito à fila de prioridade na vacina.