Operação Carro-Pipa em Canindé não atende a todos e 70% da população sofre com falta d’água

Região Central: o município de Canindé está sofrendo com a escassez severa de água. Por melhor que tenha sido o inverno este ano, naquela cidade cearense o que ainda resta para o consumo humano é insuficiente e a população necessita ser atendida por caminhões pipa. Mas o abastecimento pela Operação Carro-Pipa no município ainda é insuficiente: dos 269 pontos que carecem de abastecimento, a Operação fornece água há apenas 50.

Conforme a diretora-geral da Defesa Civil de Canindé, Francilene Belém, por causa dessa situação estima-se que cerca de 70% de uma população de quase 14 mil pessoas que deveriam ser atendidas pela Operação regularmente, estão sofrendo com a falta d’água. Ela teria enviado vários ofícios ao Exército Brasileiro cobrando mais investimentos na política de abastecimento municipal, mas ainda não teve retorno.

Francilene detalha ainda que seriam necessários, no mínimo, 16 carros-pipa para abastecer a todos que precisam, no entanto apenas oito carros foram contratados pelo Exército para a Operação na cidade. “Todo dia a gente envia ofício, e-mail para o 23ºBC. A gente até já pediu o modo emergencial da Operação Carro-Pipa, que o próprio Exército vem fazer [a entrega da água]. Mas, infelizmente, a resposta que tivemos é que a chance disso acontecer é praticamente zero”, disse ela em entrevista ao Jornal O Povo.

“Em nota enviada à prefeitura de Canindé, o Exército informou que a solicitação para o modo emergencial da Operação Carro-Pipa, feita pela gestão do município, está em análise. Entretanto, destacou que o serviço de emergência é restrito. Dessa forma, no entendimento da diretora da Defesa Civil, não há expectativa para a aprovação da assistência emergencial”, detalhou o jornal O Povo.

Em nota, o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) ao qual o Exército se reporta para assuntos relacionados à Operação Carro-Pipa rebateu o cenário e disse que desconhece o cenário destacado pela Defesa Civil de Canindé. O Exército ainda não tinha se pronunciado até a publicação desta matéria.