Área de seca no Ceará tem aumento entre os meses de julho e agosto

A área do Ceará classificada em seca fraca variou de 20,84% para 40,29% entre julho e agosto, conforme o mapa mais recente do Monitor de Secas. No atual cenário, o estado apresenta tanto impactos de curto como de longo prazo.

De acordo com a  ferramenta que realiza o acompanhamento regular e periódico da seca no Nordeste e em estados brasileiros fora da região, a área do Ceará classificada com seca está concentrada mais ao centro-sul, principalmente entre as macrorregiões Jaguaribana, Sertão Central e Inhamuns. Com a atuação situação, são observados impactos como: redução do plantio, culturas ou pastagem, além de alguns déficits hídricos prolongados, pastagens ou culturas não completamente recuperadas.

Um dos principais motivos é o tradicional período do ano (segundo semestre) com precipitações escassas, mesmo que, conforme dados da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), o mês de julho tenha apresentado acumulado acima da média, sendo 25,7 milímetros contra 15,4 mm da normal climatológica.

“Como é um seca relativa, estas características de chuvas um pouco acima ou abaixo são pouco expressivas para observarmos uma diferença no mapa do Monitor de Secas, já que são analisados períodos mais longos”, comenta o pesquisador Francisco Vasconcelos Júnior.

No mesmo período do ano passado, a situação era mais grave. Na ocasião, o Ceará apresentava 66,81% do seu território com seca relativa, sendo 43,16% moderada.