Acusado de matar adolescente em festa de aniversário é condenado a 36 anos de prisão no interior do Ceará

A Justiça do Ceará condenou Paulo Ronielton de Sousa Silva a 36 anos, nove meses e dez dias de prisão pelo latrocínio da adolescente de 14 anos Yasmim de Sousa Furtado, ocorrido na localidade de Riacho da Porta, zona rural do município de Pentecoste, no Ceará, em 2017. O acusado ainda vai responder por corrupção de menor, pela participação de um adolescente no crime. A sentença foi divulgada nesta segunda-feira (28), assinada pelo juiz de direito titular da Vara Única da Comarca de Pentecoste, Wallton Pereira de Souza Paiva.

Yasmim completaria 15 anos de idade no dia seguinte ao crime. A família dela, segundo informou o Ministério Público do Ceará (MPCE), já havia organizado uma festa de aniversário que aconteceria dois dias depois de sua morte. O crime marcou a cidade de Pentecoste, chocando e revoltando a população local.

Aniversário da mãe
Paulo Silva assassinou Yasmim Furtado enquanto a adolescente comemorava o aniversário da mãe, na noite do dia 14 de setembro de 2017, por volta das 18h45. Naquela noite, a família e os convidados da festa foram surpreendidos por Silva e um adolescente de 17 anos, que invadiram o local e anunciaram o assalto.

De acordo com o MPCE, consta nos autos que os indivíduos pediram dinheiro e a chave de uma motocicleta que estava estacionada do lado de fora da casa.

“Como a mãe da vítima, por estar nervosa, não conseguiu encontrar, eles agrediram o companheiro da mulher com coronhadas e subtraíram dois celulares, um da adolescente e o outro de sua mãe”, relatou o MPCE.

Ao deixarem o local, o acusado e o comparsa levaram a motocicleta de uma pessoa que estava chegando na festa. Nesse momento, Paulo Silva efetuou dois disparos de arma de fogo em direção ao quarto da casa e um dos tiros atingiu a nuca de Yasmim Furtado.

Ainda segundo informações do ministério, mais de seis mil pessoas visitaram e acompanharam o velório da adolescente, que ocorreu, primeiramente, no ginásio poliesportivo de Pentecoste, e depois na casa da família.

Na época, o promotor de Justiça Jairo Pequeno Neto requereu a condenação do acusado pelos crimes de roubo seguido de morte e corrupção de menor, já que ele recebeu apoio de um adolescente durante a ação delituosa. O magistrado julgou procedente a denúncia e lavrou a sentença condenatória na última quinta-feira (24).