Jovem de Quixeramobim que amputou perna aos 14 anos por câncer, faz “vaquinha” para comprar prótese

Sem condições de comprar prótese de quase R$ 100 mil, jovem realiza vakinha virtual (Foto: reprodução)

Quixeramobim: a história de uma jovem de Quixeramobim está comovendo boa parte dos cearenses, principalmente dos moradores do Sertão Central: Erisllândya Lima vive sem uma das pernas, e agora está promovendo uma vaquinha na internet para poder comprar uma prótese, já que não tem condições financeiras para custear ela mesma o equipamento, que custa quase R$ 100 mil.

A arrecadação está sendo feita no site Vakinha, onde a pessoa pode doar qualquer valor, sendo possível ainda registrar o pagamento via boleto, PicPay, PayPal ou agendamento para faturar em cartão de crédito. Quem preferir pode depositar a quantia que desejar na própria conta bancária mantida pela jovem.

Erisllândya precisou amputar a perna quando tinha 14 anos de idade, após contrair Osteossarcoma, um tipo de câncer causado por um tumor ósseo maligno primário, e que se apresenta de maneira mais comum em crianças e adolescentes, com pico de incidência entre a segunda e terceira décadas de vida. Sua história de superação virou detaque no jornal O Povo em matéria publicada ainda na noite de quinta-feira (6), onde ela conta que “Com internações que chegavam a três semanas para realizar o tratamento, sua mãe precisou parar de trabalhar para acompanhar a filha na rotina hospitalar”.

Jovem estuda enfermagem na Unicatólica

Esse ano ela iniciou a graduação em Enfermagem no Centro Universitário Católica de Quixadá. A questão da locmoção passou a falar mais alto após a rotina de deslocamento de Quixeramobim até a cidade onde estuda. “Na universidade que estuda, no entanto, não houve problemas nem de adaptação do ambiente, tampouco na relação com colegas e professores. Atualmente, devido à quarentena, o curso está realizando aulas a distância”, afima ela ao jornal O Povo.

Erisllândya Lima já usa moletas há dez anos, mas agora a questão de sua perfeita locomoção, ideal para um bom desempenho na profissão que escolheu seguir, só será possível com uma prótese. O equipamento custa um valor de R$ 89 mil, mais o acompanhamento profissional no período de reabilitação, quando ela terá que reaprender a caminhar com o uso da prótese. Até o momento ela só arrecadou R$ 4mil

“Para a estudante, esta quantia significa poder salvar vidas, alegrar o acompanhamento de pacientes e lhes dar esperanças de dias melhores, assim como outros enfermeiros já fizeram com ela própria”, relatou o Jornal O Povo.

Quem desejar doar, o link da Vakinha Virtual para doação pode ser ACESSADO AQUI

Se preferir, a conta para depósito é essa:

Banco do Brasil
Agência: 0536-3
Conta: 46916-5
Erisllândya da Silva Lima