Saudade: Há 4 anos, atentado contra Policiais Militares no município de Quixadá comoveu o Ceará

Sargento Francisco Guanabara Filho, 50 anos, Cabo Antônio Joel de Oliveira Pinto, 33, e o Soldado Antônio Lopes Miranda Filho, 33, (foto: arte/RC)

Região Central: O dia 30 de junho é uma data que muitos quixadaenses jamais irão esquecer, principalmente familiares, amigos e colegas de fardas, mas sem dúvida haverá registrado nos arquivos da cidade uma tragédia que foi noticiado nos diversos veículos de comunicação do Brasil, mas foi o Revista Central que teve a árdua missão de publicar primeiro aquele atentado.

“Três policiais militares são mortos e um baleado em confronto com bandidos em Quixadá”, destacou o Revista Central, às 17h25min, em seguida a imprensa cearense passou a noticiar o caso. No Hospital Dr. Eudásio Barroso iniciou uma grande aglomeração de familiares e da população.

Na tarde daquela quinta-feira (30.06.2016), equipes da Polícia Militar receberam denuncia de um ocorrido na cidade de Banabuiú. Uma viatura foi mobilizada e seguiu por uma estrada carroçável pelo bairro Monte Alegre com saída na sede do distrito de Juatama, em um trecho, bandidos fortemente armados já receberam a equipe a tiros com armas de groso calibre.

Os policiais militares Sargento Francisco Guanabara Filho, 50 anos, Cabo Antônio Joel de Oliveira Pinto, 33, e o Soldado Antônio Lopes Miranda Filho, 33, infelizmente foram a óbitos no local. Atualmente, como homenagem, os três têm nomes de ruas no loteamento Santa Clotilde.

Naquele ato, o Sargento João Alves Campos também foi baleado, mas conseguiu sobreviver, enquanto, o sargento Ribamar e a soldado Michele foram feitos reféns e liberados no município de Ibaretama.

No dia seguinte, Quixadá viveu luto, muitos comerciantes não abriram seus estabelecimentos, em respeito às vítimas e ao decreto do prefeito municipal. Populares ergueram faixas com a cor preta em suas residências.

“Policiais são sepultados com honrarias militares; comoção, dor e revolta em Quixadá”, destacou o RC. Viaturas do Corpo de Bombeiros seguiram com os corpos dos policiais até o os cemitérios, enquanto uma multidão fez o acompanhamento. Amigos, familiares e até mesmo populares choraram bastante, uma demonstração da tristeza.

Policiais foram levados em viatura do Corpo de Bombeiros (foto:arquivo RC)

4 anos depois

Após uma minuciosa investigação, a Polícia Civil indiciou 12 acusados por vários crimes, entre eles, pelo triplo homicídio, tentativa de homicídio, sequestro, assalto e o Ministério Público ofertou denuncias ontra: Fabio Oliveira Rabelo – vulgo ‘Bombado’; David Willian Lázaro, o Deivim; Edneudo Oliveira Silva, o ‘Leudo Pipoca’; Fábio Jandson Gomes de Sousa, o ‘Feijão’; Francisco Neuton Barbosa Freire, o ‘Neuton Pipoca’; Aroldo Cabral Sampaio; José Nobre do Nascimento Filho , o Zé Filho; José Massiano Ribeiro – vulgo Massiano; Veridiano Rabelo Cabral Junior; João Victor da Silva – Joaozinho; Jovanny Rodrigues Pinheiro.

Em dezembro de 2019, o juiz Welithon Alves de Mesquita, da 1ª vara da Comarca de Quixadá, pronunciou os réus para que sejam submetidos a julgamento no tribunal do Júri. Alguns réus foram mortos durantes esse intervalo como Edneudo Oliveira Silva e Francisco Neuton Barbosa Freire os demais estão presos.

Após esse triste crime, muitas coisas mudaram no município de Quixadá, principalmente no tocante ao crime organizado.

Policiais foram sepultados sob honrarias (foto: arquivo RC)