Investigação sigilosa aponta envolvimento de servidoras com o tráfico em Quixadá, revela jornalista do Ceará News

Informação foi destaque no site que deu a exclusividade dese caso (foto: reprodução)

Região Central: Uma segunda-feira (09), com noticias bombásticas deixou a população de Quixadá assustada com uma grande investigação da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual, que liga servidores a esquema de tráfico de drogas na Terra dos Monólitos.

A bomba do dia foi noticiada pelo jornalista Fernando Ribeiro, da Rádio Plus FM e repostada pelo site Ceará News. O caso está em segredo de justiça.

Segundo o informativo, um esquema criminoso de tráficos de drogas e de influência foi descoberto na cidade de Quixadá, envolvendo funcionários da Prefeitura Municipal. Duas servidoras foram presas por ordem da justiça e tiveram quebrado o sigilo telefônico. A investigação do Ministério Público e da Polícia Civil revelou também que, além do comércio de entorpecentes, as servidoras teriam recebido orientação do prefeito Ilário Marques para votarem em um candidato ao Conselho Tutelar local.

Veja a reportagem na íntegra do site Ceará News!

A descoberta do envolvimento das servidoras municipais Francisca Danielle Pinheiro de Lima, empregada há 14 anos na Prefeitura de Quixadá e atualmente lotada na Secretaria da Agricultura; e Karla Mylleane Silva de Oliveira, técnica em Enfermagem e lotada no Hospital Municipal Eudásio Barroso, no tráfico de drogas e de influência, veio à tona após a primeira ter sido presa, em flagrante, no dia 29 de setembro, juntamente com a filha, Ana Vitória Gerônimo, 20; a e sua comparsa, Marisa Ferreira de Sousa. As três foram flagradas fotografando policiais militares do Comando Tático Rural (Cotar), que estavam na cidade de Quixadá para uma operação.

Com a detenção das três, os telefones celulares foram apreendidos e a quebra do sigilo levou à descoberta da rede criminosa que tinha como base o bairro Campo Novo, chamado por elas de “Gogó”. Danielle e Mylleane atuavam no tráfico de drogas sob o comando de Marisa, chamada de “Maria” ou “Cumadre”, que é companheira de um  traficante e homicida atualmente preso em uma unidade do Sistema Penal, na Grande Fortaleza. Erbson Emídio, o “Bebel”, mesmo estando atrás das grades, continua comandando o tráfico em Quixadá, usando as duas mulheres como “gerentes” dos pontos de vendas de drogas no Campo Novo e em cidades da mesma região, como Morada Nova (a 163Km da Capital).

Em um dos trechos de uma gravação de diálogos entre Danielle e Marisa, as duas tratam da contabilidade da venda de drogas.  Citam nomes e quantidades de drogas vendidas, cobranças e prazos de pagamento.

Noutro trecho da interceptação telefônica autorizada pela Justiça, Danielle conversa com a mãe, Joana Darck Jerônimo de Freitas, que também é servidora da Prefeitura de Quixadá e igualmente à filha, lotada na Secretaria da Agricultura.  Ela cita uma suposta ligação telefônica em que fala ter recebido orientação do “Ilário” (seria o prefeito do Município), para votar no candidato Nilton César Morais da Silva, que acabou eleito para o cargo de membro do Conselho Tutelar de Quixadá, o fato pode caracterizar o crime de tráfico de influência.

Prisões

Danielle, Marisa e Ana Vitória, presas em 29 de setembro, acabaram sendo soltas por ordem da Justiça durante uma audiência de custódia. Todavia, no dia 3 de outubro, a juíza de Direito, Giselli Lima de Sousa Tavares, titular da 2ª Vara daquela Comarca, atendeu a um pedido da Polícia Civil e decretou a prisão preventiva de Danielle e de Marisa, além da temporária de Karla Mylleane.  A juíza expediu também mandados de busca e apreensão para uma revista nas residências delas. As três foram capturadas no dia 7.  Porém, não ficaram presas por muito tempo.

Na tarde do dia 9, as acusadas foram levadas para uma segunda audiência de custódia, onde acabaram soltas novamente e agora permanecem em liberdade. Karla Mylleane teve a temporária revogada. Danielle e Marisa tiveram a prisão preventiva convertida em domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica.

O Ministério Público de Quixadá, representado pelo promotor de Justiça, Othoniel Alves de Oliveira, aprofunda a investigação em torno do caso em conjunto com a Polícia Civil.

Ouça um dos áudios da quebra de sigilo das acusadas: